Dia 13 arranca a 20ª edição do Festival EDP – Paredes de Coura. Uma festa que durará 5 dias e levará às margens do Tabuão cerca de 50 concertos.

Este fim-de-semana, quando os primeiros festivaleiros chegarem a Paredes de Coura, estarão a acabar as Festas do Concelho. Mas as comemorações não terminarão, pois o festival completa o seu 20.º aniversário e a festa vai ser rija.

Pela pacata vila minhota e nas margens do rio manter-se-ão os espetáculos de luz e som (com os americanos Of Montreal a proporcionarem certamente a maior das algazarras, seguidos bem de perto pelos ingleses The Go Team!), arruadas com trauliteiros (o trio dos portugueses PAUS até toca o Malhão e B Fachada apresentará uma Afro-xula) ou ainda cortejos de andores com alguns santos.

Os mais adorados serão “da casa”: os Ornatos Violeta. Volvidos mais de dez anos desde a sua separação, os autores de Cão e O Monstro precisa de amigos serão certamente os mais aguardados e a banda que convidará à aquisição de bilhetes diários (a 40€) por parte daqueles que já não tiverem idade nem saúde para andar rampa acima, rampa abaixo, ao longo de 5 dias (os passes custam 80€).

E se é para continuar os festejos religiosos, Paredes de Coura acolherá, em dia santo, os belgas dEUS. Com uma carreira que tem a idade do festival, têm sabido manter em Portugal uma legião de fãs que não deixará de entoar temas como Suds & Soda ou Instant Street, passando ainda por algumas novas músicas dos recentemente editados Following sea (2012) e Keep you close (2011).

Outro dos padroeiros da festa será Stephen Malkmus, que virá pela primeira vez a Portugal, trazendo na bagagem o seu quinto álbum com os The Jicks, Mirror Traffic, editado no ano passado. Adorado pelos fãs de Pavement e dos Silver Jews (bandas fundadas pelo próprio e que todos adoraríamos ver em Coura), o concerto de Malkmus será, também para muitos, um dos mais esperados. Tocam no dia 14, entre a frescura jovial dos tUnE-yArDs e dos Friends.

No dia “zero” o Festival oferece uma ementa bem portuguesa: Brass Wire Orchestra, vencedores nacionais do concurso Hard Rock Rising, Salto, League, e os já referidos B Fachada e Quim Albergaria, bateria yang dos PAUS, aqui em formato DJ set.

Outros santos que poderão fazer milagres: no campo dos chamados “cabeça de cartaz” os britânicos Kasabian e a sua conterrânea Anna Calvi; a xonice de Midlake e Patrick Watson, o experimentalismo de Gang Gang Dance, o post-rock de God is an Astronaut, e os sexuais duos Dereck & Alexis, dos Sleigh Bells, e Brian & David, que constituem os Japandroids.

Mas há mais: missa campal à beira rio no Palco Jazz na Relva, com Glauco, Mizi Band e o brasileiro Gileno Santana “Metamorfose”; e missa vespertina, noite dentro, no Palco After Hours Vodafone FM, com ou sem fogo de artifício mas com muitas batidas, com Totally Enormous Extinct Dinosaurs e Kavinsky (dia 15), Crystal Fighters e In Flagranti (dia 16) e Chromatics e Sunta Templeton (dia 17).

Enquanto tudo isto, brincadeiras com frisbee, raquetes ou barquinhos de borracha com Erlend Øye, que desta feita visita Paredes de Coura com o seu projeto mais “huntz-huntz”, The Whitest Boy Alive.

Ainda não sabes como ir lá ter? A informação no site oficial é bastante completa. Consulta aqui as alternativas.

Contando que não chova – e ao que parece as preces a S. Pedro não serão suficientes – a Semana Santa será, em Paredes de Coura, “mais que um festival, uma semana de férias”.