No De 0 a 20 desta semana, destacamos a final do Ídolos, o regresso de Ganha Num Minuto e o programa Vídeo Pop. No Melhor e Pior da semana, os resultados de Dancin Days e da RTP1 são o assunto em questão.


Ídolos – Gala Final (SIC) | 17/20

Nas duas semanas que passaram chegaram ao fim dois dos programas mais falados nos últimos tempos. Um porque se tornou num dos maiores sucessos de sempre da televisão portuguesa e o outro porque foi um dos maiores flops que já vimos em Portugal. Falamos, claro, de A Tua Cara Não Me É Estranha e Ídolos. No dia 29 de julho os portugueses puderam assistir à grande final dos dois talent-shows. Apesar do resultado não ter sido nada de extraordinário, conseguiu 24,7% share, superior ao que vinha a registar. O que fez com que o programa da TVI tivesse uma ligeira queda. Ainda assim,  A Tua Cara Não Me É Estranha manteve-se nos 40,5% de share, com cerca de 700 mil espetadores a mais que o programa da SIC.

Ídolos consagrou Diogo Piçarra como o novo ídolo de Portugal, na melhor gala de toda a temporada. Bem diferente do que aconteceu até aí, sempre com um bom ritmo, convidados interessantes e excelentes interpretações dos finalistas e ex-concorrentes. O destaque vai para ‘Os Sócios‘, da dupla formada por Tony Carreira e Pedro Abrunhosa. Já os apresentadores, estiveram iguais a si mesmos: um Manzarra mais solto e espontâneo,  a lançar as suas piadas de vez em quando e uma Cláudia Vieira nervosa, completamente agarrada ao teleponto e sem grande poder de improviso.

Os jurados fizeram um balanço do programa e foram realmente ‘politicamente corretos’. Até Manuel Moura dos Santos, que referiu várias vezes ao longo da gala que nessa noite teria de se ‘portar bem’. O pior momento da noite foi mesmo as farpas lanças na conversa entre Pedro Abrunhosa e Vanessa da Mata. O músico português foi deselegante ao puxar a cantora brasileira para a discussão, os apresentadores não estiveram no seu melhor ao interromper os dois. Mas no final, o pedido de desculpas foi feito, e tudo pareceu resolvido.

O balanço da gala foi positivo, mas da edição completa não foi assim tão bom. Espera-se que haja um longo intervalo entre esta e a edição seguinte. É necessário uma ‘reciclagem’ de boas vozes em Portugal. E já agora, uma nova dupla de apresentadores e novas caras no júri. Ou então, um novo formato musical. Factor X continua à espera para entrar em ação e Pedro Granger a piscar o olho ao formato…

Ganha Num Minuto 2 (SIC) | 15/20

Voltou à antena da SIC o programa com Marco Horácio. Ganha Num Minuto está de volta para mais uma temporada, desta vez de verão. A primeira edição ficou marcada pela presença de um grupo de concorrentes famosos, que trouxe algum interesse ao programa. O mesmo não deverá acontecer nas próximas semanas. Por mais que queiramos, não é tão interessante ver um anónimo a fazer os jogos onde se fazem as chamadas ‘figuras tristes’. É assim o Ganha Num Minuto! Para o arranque da série de Verão, o apresentador contou com a participação de Andreia Rodrigues, Andreia Dinis, Diana Bouça-Nova, Diogo Valssassina, João Ricardo, Nuno Janeiro, Pedro Guedes, Raquel Strada, Ricardo Guedes e Rita Ferro Rodrigues.

Relembre-se que este programa é uma adaptação do formato de grande sucesso internacional – Minute To Win It, já produzido em mais de 30 países. Tem uma mecânica de jogo simples, composto por uma sequência de jogos com vários níveis. Para ganhar o prémio final de 20.000€, os concorrentes têm de completar cada um dos dez jogos apresentados. Não existem equipas e não há espaço para hesitações, porque só existe um minuto para ganhar. Criados a partir de objetos de uso diário, os jogos requerem destreza, firmeza e velocidade. Não é muito dispendioso, os jogos são bastante leves e o apresentador é divertido. Contudo, e porque também estamos em plena crise, e na televisão esta também se faz sentir, percebe-se a aposta em formatos que exigem menos despesas por parte das estações.

Numa altura como esta, em que estamos em pleno verão, compreende-se a aposta no Ganha Num Minuto. Mas de qualquer forma, faziam falta programas como este nas noites de sábado durante todo o ano, deixando o horário nobre de domingo para programas de grande entretenimento (não me parece que Toca a Mexer! seja a melhor opção, pois um cruzamento entre Dança Comigo e Peso Pesado não lembra a ninguém). Para já, ficamos com Marco Horácio até setembro. Se os valores de estreia continuarem, já será bom. O apresentador consegue trazer dinamismo ao programa, segura os telespectadores e é engraçado sem cair no exagero. E como a concorrência não será, à partida, forte, a tendência é para continuar a resultar.

Vídeo Pop (TVI) | 12/20

Estreou há algumas semanas o novo formato da TVI. Uma mistura entre Gosto Disto e Quem Quer Ganha, o Vídeo Pop é apresentado por Leonor Poeiras e Nuno Eiró e vai para o ar de segunda a sexta ao final da tarde. A ideia é que este seja um «noticiário», cujo menu será uma seleção dos melhores e mais divertidos vídeos que toda a família poderá assistir. Segundo a própria estação, “todos os dias são emitidas as imagens mais curiosas e cómicas, sejam elas de arquivo ou caseiras, nacionais ou internacionais“.

Na verdade este não passa de mais um programa ao estilo Gosto Disto, Isto Só Vídeo, Olhó Vídeo, Tá a Gravar, etc. E depois com o ‘760’ a surgir a toda a hora. Depois de vários formatos fracassados em termos de audiências, esta tentativa da TVI parece ter novamente falhado. As audiências continuam fracas, sempre abaixo dos 15%, e apenas se justifica a emissão do programa pelo possível lucro com as chamadas. Leonor Poeiras e Nuno Eiró mostram a sua cumplicidade, e acabam por ser o melhor do programa, estando completamente à vontade entre si, com o público e com o formato.

Até ao final do verão deveremos continuar a assistir ao programa. Depois disso o futuro do formato será uma incógnita. Mas com o regresso da Casa dos Segredos, o insucesso deste programa e o espaço no horário da tarde, o mais provável é o Vídeo Pop sair e dar lugar aos diários da Casa dos Segredos.