Francisco Pinto Balsemão abandonará o cargo de CEO da Impresa no próximo mês de outubro. O todo-poderoso da holding passa assim a ser chairman do grupo. A substituí-lo ficará Pedro Norton, que sobe de vice-presidente a presidente executivo.

O executivo, de 44 anos, irá assumir as funções que são atualmente do antigo primeiro-ministro a partir de outubro, confirmando o que já era preconizado há alguns meses, com o mercado a apontá-lo como seu natural sucessor. Desde abril de 2008 que já havia assumido as funções de vice-presidente.

Pedro Norton – (c) Fábio Teixeira/Público

O novo CEO da empresa é licenciado em Gestão pela Universidade Católica, tendo-se formado ainda em Television Management pela Boston University School of Communication. Pedro Norton está na Impresa de maio de 1992, tendo sido assessor da administração da Controljornal, cargo que também ocupou na SIC. Em 2001 passou a ocupar a função de CEO da Sojornal, empresa que é responsável pela edição do Expresso, tendo assumido a direção executiva de toda a área de jornais do grupo no ano de 2004.

A saída de Balsemão do cargo de CEO acontece na sequência de uma reformulação no modelo de gestão do grupo. Segundo o próprio, esta “trata-se de uma evolução tranquila e previsível“, explicando que “ao longo dos últimos quatro anos” foi “delegando progressivamente as suas responsabilidades quotidianas“.

Na reorganização administrativa, Pedro Norton será apoiado por uma equipa executiva de seis pessoas que assegurarão a gestão do grupo. Neste caso, “em vez de terem responsabilidades sectoriais como anteriormente, terão responsabilidades por áreas verticais“: Luís Marques será o COO (chief operational office) da área editorial, José Carlos Lourenço o COO dos pelouros comercial e de marketing, Paulo Saldanha manterá a vertente administrativa e financeira, José Freire será o COO para a venda de conteúdos e desenvolvimento de negócios e Francisco Pedro Balsemão terá a seu cargo os recursos humanos, o pelouro jurídico e a sustentabilidade. Por indicar está ainda o responsável pelas operações e tecnologia.

Francisco Pinto Balsemão adianta que a mudança foi arquitetada durante “quase um ano” e resultou “de uma reflexão profunda“. Explicou ainda que considera que esta “é a melhor solução para o cumprimento da nossa visão como empresa de comunicação social“, garantindo que ainda é desta que se irá dedicar a escrever as suas memórias ou a melhorar o seu golf.