A décima edição do Festival Marés Vivas tmn arrancou ontem. A noite mais rockeira de todo o festival foi rija, com Wolfmother e Franz Ferdinand a destacarem-se do pelotão das bandas que rumaram até ao Cabedelo, em Gaia.

O Marés Vivas tmn, o festival mais barato da Europa, como gosta de se intitular, abriu hoje as portas para a edição de 2012, que é também a décima, razões mais que especiais para este ano termos um dia extra. Dia extra que foi perfeito  para abrir da melhor maneira os palcos com vista privilegiada para o Douro. O rock foi bem recebido pelos festivaleiros de várias nacionalidades, entre os quais destacamos os barulhentos espanhóis e italianos. Mas antes de passarmos em detalhe o rock, vamos ao diário de bordo.

O Palco Moche Random Stage foi o verdadeiro iniciador da festa, com os portuenses The Lazy Faithful a terem a responsabilidade de fazer o primeiro concerto do festival. Responsabilidade que não acusou nervosismo na sua música. A banda portou-se muito bem e fez-se ouvir bem alto, com o som a chegar até à pacata freguesia pescatória da Afurada. Com o público a não saber quem iria tocar neste palco, uma vez que o conceito Random Stage só indica os artistas na horas, os The Lazy Faithful conseguiram chamar algum público que entrava no recinto.

Já habituado a estas lides, André Indiana foi o senhor que se seguiu no Palco Moche Random Stage. O portuense apresentou um novo projecto intitulado Indiana Blues Band, que tal como o nome indica, visita um género bem diferente do que se passou no outro palco, ainda assim, André Indiana e companhia conseguiram agarrar muita gente, estando a tenda do Palco Moche bem cheia.

Após o jantar comido, eis que as primeiras luzes e acordes começam a vir a partir do Palco tmn, são os The Sounds. Os suecos abriram então o palco principal do festival para um concerto que se veio a tornar bastante light. A maioria do público presente estava à espera dos outros dois protagonistas da noite, no entanto a vocalista Maja Ivarsson ajudou e muito à fidelização do público, sobretudo o masculino. Com uma atitude rebelde que conseguiu bastantes aplausos e assobios e que conseguiu também esconder um pouco do cinzentismo das músicas, que ao fim de algum tempo começam a soar todas iguais.

Pouco depois das 23 horas, chega um dos momentos mais esperados da noite. Pela primeira vez em terras lusas: os Wolfmother. Um quarteto de gadelhudos, mas com um sentido de rock bem apurado, levaram o público ao êxtase. Riffs e mais riffs de guitarras era o que se queria ouvir e quem conhecia pouco da obra dos australianos, rapidamente se deixava contagiar e começava também a abanar a cabeça ao ritmo dos acordes de um hard-rock bem louco. Um concerto que podia mesmo ter sido de Another Dimenson, como cantaram os Wolfmother, mas que perdeu um pouco graças aos erros técnicos, que foram audíveis sobretudo na primeira parte do concerto. Para compensar isso tudo o front-man Andrew Stockdale elogiou o público português, palavras que são sempre recebidas com emoção.

A partir da uma hora da manhã deixou de haver espaço em frente ao Palco tmn, era tempo de Franz Ferdinand, os cabeças de cartaz deste primeiro dia do Marés. A banda escocesa vinha determinada a dar um grande concerto e isso foi visível logo a partir do primeiro segundo, os Franz começaram logo a atacar com temas bem conhecidos do público, entre os quais Do You Want To que começou logo com um coro fantástico por parte da plateia. O concerto foi sempre a subir, tendo dois pontos máximos, o tema mais conhecido da banda, Take Me Out que pôs toda a gente a saltar e de braço no ar e depois This Fire, também a fazer com que uma enorme poeira saltasse do chão. A forma incrível como os escoceses emitem energia e entusiasmo para o público é incrível, fazendo com que cada tema seja cantado e saltado, mesmo que pouco conhecido.

O concerto dos Franz Ferdinand foi assim o primeiro grande momento do festival, esperam-se que se repitam muitos momentos destes, durante os próximos três dias. Hoje ainda há muito rock, expectativas altas para o regresso dos Kaiser Chiefs à Praia do Cabedelo, sem esquecer é claro os concertos de Garbage, The Cult e Gun. Há ainda a curiosidade de quem amanhã vai abrir o dia no Palco Moche Random Stage, curiosidade essa que apenas vai ser colmatada às 18h30, hora em que começam as atuações no Marés Vivas tmn.

*Artigo escrito, por opção do autor,  com as normas do acordo ortográfico de 1945.

Fotografias: LISA SOARES / GLOBAL IMAGENS @Jornal de Notícias