Rock-of-Ages_2

A Idade do Rock já era

A Idade do Rock estreia hoje nas salas de cinema e reúne um elenco de peso: Tom Cruise, Alec Baldwin, Russel Brand, Paul Giamatti, Catherine Zeta-Jones e muitas outras caras conhecidas. Agora será que A Idade do Rock consegue retratar essa época áurea e atrair o público ao grande ecrã? Ingredientes não lhe faltam, contudo o sumo talvez não seja suficientemente estimulante para o filme conseguir atingir a receita.

Quando pensamos na idade do rock, chega-nos logo à mente certos elementos que ressaltam esse tempo, como as botas altas, casacos de cabedal, grandes cabeleiras, álcool, tatuagens, sexo, drogas e muito rock n’ roll. No filme encontramos todos os clichés relacionados com a febre do rock, contudo foram apresentados de uma forma pouco convincente.

O filme, em vez de honrar o rock na sua verdadeira essência, conseguiu tornar-se num musical pop com influências de Glee com  High School Musical. As músicas dos cantores e bandas icónicas como Bon Jovi, Guns n’ Roses, AC/DC, The Rolling Stones foram interpretadas pelos atores, destruindo de certa forma a sua versão original. Todas as atuações musicais pareciam dessincronizas e pouco credíveis, como se cada ator estivesse a fazer playback e a voz não fosse realmente sua.

É do conhecimento de todos que o mundo do rock tem uma vertente rebelde e deveras imoral, contudo os exageros caricaturais de cada personagem tomaram conta do filme, ridicularizando os adeptos deste estilo. Stacie Jaxx, o icone dos Arsenal, protagonizado por Tom Cruise está sempre drogado, é obcecado por sexo e mantém-se sempre rodeado por mulheres despidas que lhe lambem a orelha e um macaco que extravagantemente o acompanha para lhe oferecer bebidas alcoólicas. As mulheres do filme são todas tornadas objetos sexuais, desde a protagonista que vai de um bar para um clube de strip até à jornalista da revista Rolling Stone, que por detrás do seu perfil recatado esconde uma mulher sexualmente apetecível e sedenta de prazer.

Percebe-se que todas estas caricaturas são uma sátira às figuras do rock, contudo não era necessário chegar ao limite do cliché para atrair a atenção do espectador. Certas cenas tornam-se tão ridículas pelo cariz sexual explicito, que desvalorizam o filme e a caracterização das personagens. Quem diria que Tom Cruise iria aparecer num plano com uma caveira na zona pélvica a olhar diretamente para as partes intimas de uma mulher?

Depois o argumento também não ajuda. A história é sempre a mesma: uma rapariga do estilo barbie doll sai da sua terra à procura do sonho americano em Los Angeles. Fanática por bandas rock, ela anseia ser cantora, mas acaba por conhecer um rapaz bonitinho, que a conduz a um bar famosíssimo por lançar grandes nomes da música. Ele chega a vender-se à fama, distanciando-se do rock e ela por falta de dinheiro rende-se à vida noturna dos night clubs, onde aparece Mary J. Blige como dona do estabelecimento burlesco. No final o rock triunfa e os dois chegam por cumprir os seus sonhos.

O único elemento que salva o filme é a prestação de Paul Giamatti, como agente e de Tom Cruise, como vocalista dos Arsenal. Apesar da vertente exagerada ambos fizeram um excelente trabalho na sua interpretação. Nem Catherine Zeta-Jones esteve tão bem como os seus colegas.

Por ventura para captar o público jovem quiseram realizar um filme mais direcionado para os musicais adolescentes, mas este formato comercial vai desiludir muitos fãs do rock, principalmente a geração que viveu essa época.

4/10

Ficha Técnica:

Titulo Original: Rock of Ages

Realização: Adam Shankman

Argumento: Justin TherouxChris D’Arienzo, Allan Loeb

Elenco: Diego Boneta, Julianne Hough,Tom Cruise, Alec Baldwin, Russel Brand e Paul Giamatti

Género: Musical, Romance

Duração: 123 minutos

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
1994 série
‘1994’. Os bastidores da ascensão de Berlusconi regressam à RTP2