O fim de semana que se avizinha augura bons espetáculos musicais e manifestações artísticas variadas para os lados de Barcarena, Oeiras. O cartaz conta com nomes como Chullage ou Chapa Zero e a entrada é livre.

É já a partir de amanhã e durante todo o domingo – 7 e 8 de julho, respetivamente – que se realiza nos Nirvana Studios, em Barcarena, o 3.º Arraial da Juventude, organizado pela Associação Iniciativa Jovem (AIJ). A AIJ, fundada em 2010, é uma associação sem fins lucrativos que desenvolve atividades de cariz cultural, social e recreativo no concelho de Oeiras, fomentando igualmente a participação da juventude nos processos de definição da política juvenil de âmbito local e nacional.

Pelo terceiro ano consecutivo, a AIJ ergue o Arraial da Juventude, mesclando diversas vertentes culturais: são esperados concertos, workshops de dança e graffiti, e até mesmo uma feira cultural e interventiva, que contará com a presença de várias associações e movimentos de âmbito social, como é o caso do Movimento Universitário pelos Direitos dos Animais (MUDA).

A panóplia de atividades estende-se pelos dois dias. O sábado, maioritariamente dedicado à cultura hip-hop, terá nas participações de Chullage, LBC, Lowrasta ou Hezbollah os seus mais fortes atrativos. Uma boa oportunidade para ver e rever artistas bastante apreciados no mundo do rap,  que mantêm uma inalienável conexão à Plataforma Gueto, coletivo de intervenção social ligado aos bairros suburbanos e degradados.

Destaque ainda para o panorama de reggae, onde as good vibes ficarão a cargo de Groove Mood ou Bob Figurante. No domingo, tempo e espaço para o universo punk hardcore, com Chapa Zero e Dalai Lume a prometerem animar o arraial.

A “maior festa de Oeiras dedicada à juventude”  garante assim um fim de semana diferente para muitos jovens, certamente oriundos de diversos pontos de Lisboa. Luís Baptista, dirigente da AIJ, antevê o ambiente e explica como concebe o arraial: “O carácter gratuito, com uma significativa componente de artistas locais a que se juntam alguns artistas nacionais, a diversidade de estilos e músicas e a particularidade do local escolhido fazem deste Festival único no Associativismo juvenil em Portugal. Convidamos todos a participar e a desfrutar de um pouco de cultura sem preço, que hoje se torna cada vez mais escassa no nosso país”.