pausheader

Charlie Brown armados com PAUS

Na passada sexta-feira, dia 15 de junho, não havia por onde fugir. Coimbra tinha noite musical em dose dupla no Gil Vicente. You Can’t Win, Charlie Brown e PAUS arrasaram, cada um a seu jeito.

Os You Can’t Win, Charlie Brown (YCWCB) e os PAUS já tinham atuado em Torres Vedras e em Leiria, a propósito do ciclo Roque Beat – Nova Música Portuguesa, antes de passarem pelo Teatro Académico Gil Vicente. Ambas as bandas encontram-se a promover os seus álbuns de estreia, lançados em 2011, e o que de bom a música portuguesa tem para oferecer.

A noite abriu com uns YCWCB constantemente animados que se dedicaram, primeiramente, a An Ending, de piano e xilofone harmoniosamente intercalados, seguida de Until December, em tom animado, que deu lugar a uma das mais famosas, Green Grass. A aclamada A While Can Be A Long Time também teve lugar de destaque, revisitando logo depois o EP da banda com as melancólicas Sad Song, The Song Below e Device. Não foram, naturalmente, esquecidos temas como I’ve Been Lost, Songworm e o poderoso single Over The Sun/Under The Water, a fechar em grande a primeira parte.

Depois de um intervalo para montagem de material, seguiram-se os ansiosamente aguardados PAUS. A tão famosa bateria siamesa arrancou desde logo, com Joaquim Albergaria de um lado e Hélio Morais do outro. Conhecidos pela sua sonoridade eclética – que os próprios denominam como big beat –, um funk algo tribal e, sobretudo, altamente dançável, a banda, convidando o público a aproximar-se do palco, interpretou temas inevitáveis como Ocre, Malhão e Descruzada, não esquecendo também o EP É uma água.

De objetivo cumprido, os YCWCB e os PAUS conseguiram provar que a música portuguesa, mais do que nunca desde há muito, se encontra de boa saúde e recomenda-se. São bandas para manter debaixo de olho e, esperemos, durante muito tempo.

Mais Artigos
Grammys 2021. Melhor Performance Rock
Grammys 2021. Mulheres dominam pela primeira vez categoria de Melhor Performance Rock