O Teatro Nacional D. Maria II apresenta, de 14 a 16 de junho, no Salão Nobre, a interpretação levada a cabo por João Grosso do texto Ode Marítima, de Álvaro de Campos.

João Grosso leva ao Salão Nobre do TNDMII uma das odes do futurista e sensacionista Álvaro de Campos, um dos heterónimos de Fernando Pessoa, no ano em que se comemoram os 124 anos do nascimento deste último.

Em 1988, a interpretação deste mesmo texto por João Grosso valeu-lhe o Prémio de Melhor Jovem Actor, o que levou a que o encenador e dramaturgo António Manuel Couto Viana escrevesse “Não me é fácil transmitir em emoção o que senti no decorrer da representação. Pareceu-me ela excepcional, julguei-a até insuperável, única. Desde logo, saliente-se a clareza e segurança da expressão verbal; a sobriedade, certeza, elegância, da inflexão, do gesto; a inteligência com que o texto nos é transmitido… Nunca deixa de pairar, pelo mérito do declamador, envolvendo-nos o coração e o cérebro, o  sortilégio evocativo de Pessoa.”

De 14 a 16 de junho, no Salão Nobre do Teatro Nacional D. Maria II, às 21h30. A entrada é livre.

João Grosso recebendo o prémio, em 1988.