Em último dia de festival, é hora de fazer o balanço e perspetivar o futuro do Rock in Rio. Horas antes da abertura de portas da Cidade do Rock, confirmou-se a realização do Rock in Rio 2013 em Buenos Aires, na Argentina e o regresso em 2014 para a sexta edição em Lisboa.

Numa cerimónia que contou com a presença de Roberto Medina e Roberta Medina, presidente e vice-presidente do Rock in Rio, respetivamente, bem como de António Costa, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, e Mauricio Lacri, Governador da Cidade Autónoma de Buenos Aires, da Argentina, a organização confirmou a presença do festival em terras lusas para daqui a dois anos. Divulgaram-se ainda algumas novidades, que serão planeadas neste período de tempo: a construção do Parque de Skate Club Portugal, melhorias nas vias de acesso ao Parque da Bela Vista e a recuperação ambiental do espaço. Está ainda planeada a remodelação dos espaços comerciais na área envolvente.

Na Tenda Vip do Rock in Rio, local onde ocorreu o evento, com a presença das bandas Los Pericos e Tan Bionica – bandas que atuaram no palco Sunset na edição deste ano -, António Costa revelou à imprensa que o Rock In Rio é «um grande evento dos calendários de espetáculos da capital», referindo «a importância do festival para a promoção do nome e imagem da cidade, nomeadamente no setor do turismo», motivos que o deixaram feliz pelo regresso.

Já perspetivando o próximo ano, o Rock in Rio Buenos Aires será realizado nos dias 27, 28, 29 de setembro e 4, 5, e 6 de outubro. O público do país latino poderá usufruir das mesmas atracções do RiR Lisboa – os palcos Mundo, Sunset, Eletrónica, Rock Street e Street Dance -, bem como o Sky Lounge, um restaurante a 200 metros de altitude do Parque da Cidade. Localizado numa Torre Especial, o espaço permitirá o acesso de 1000 pessoas para jantar por dia, num sítio com uma vista superior sobre o festival.

Para Roberto Medina, trata-se de uma «internacionalização que procura tornar o festival a maior marca da música, tentado assim chegar à América do Norte e à Ásia». Já o Governador argentino afirma que o Rock in Rio é uma aposta «na cultura jovem e na música, dotando a sul da cidade com uma infraestrutura de nível mundial».

A ocasião também foi aproveitada para revelar números, ainda que referentes à edição de 2008, na qual se divulgou a criação de receitas na ordem dos 64 milhões de euros relacionadas com a realização dos espetáculos de Lenny Kravitz, Bon Jovi, Rod Stewart, ou Linkin Park. É reconhecido pela organização como um evento capaz de gerar emprego, tanto direto como indireto, neste caso, no setor do turismo, sendo também divulgados diversos números referentes ao festival no Rio de Janeiro.

Após 10 edições, que moveram mais de 6 milhões de pessoas ao Rio de Janeiro, Lisboa e Madrid, agora o Rock in Rio dá o passo seguinte na internacionalização do festival, seguindo em 2013 rumo à Argentina.