São muitos os filmes e, cada vez mais, as teorias sobre o fim do mundo, o apocalipse. Procurem Abrigo vem abordar o tema de forma bem diferente do que fizeram filmes como 2012 ou O Dia Depois de Amanhã. Há uma profundidade muito maior e o que está em jogo é muito mais do que o medo do fim.

Jeff Nichols muniu-se do melhor protagonista e de um argumento muito bom e venceu o prémio 50th Critics’ Week Grand Prix e Fipresci no Festival de Cannes de 2011. Procurem Abrigo é arrebatador, consegue arrepiar e perturbar-nos como poucos filmes. O sonho e a realidade misturam-se e também nós vamos ter medo.

 Curtis LaForche (Michael Shannon) vive numa pequena cidade de Ohio, com a sua mulher Samantha (Jessica Chastain) e a filha Hannah, de seis anos, que é surda. Curtis leva uma vida modesta como chefe de equipa numa empresa de prospecção mineira. Samantha é dona-de-casa e costureira em part-time, que suplementa os seus rendimentos vendendo objectos artesanais numa feira ao fim-de-semana. A certa altura, Curtis começa a ter sonhos terríveis sobre uma tempestade apocalíptica. Ele opta por guardar estas visões para si mesmo, canalizando a sua ansiedade na ideia obsessiva de recuperar o abrigo contra tempestades do seu quintal. O seu comportamento, aparentemente inexplicável, preocupa e confunde Samantha e provoca a intolerância entre colegas de trabalho, amigos e vizinhos. Mas a tensão resultante no seu casamento e dentro da comunidade não se comparam ao medo aterrador que Curtis tem do real significado que os seus sonhos possam ter. 

Jeff Nichols realizou e escreveu o argumento e o resultado é genial. Uma temática experimentada tantas vezes, finalmente é abordada e desconstruída da forma mais brilhante. Acima de tudo o resto, o medo comanda Procurem Abrigo, e não é apenas o medo do apocalipse que está em jogo, é o medo de si mesmo e do que o rodeia. As questões ficam em cima da mesa ao longo do filme: doença mental ou realidade? alucinações ou premonições? É impossível sentirmo-nos seguros ao acompanhar o dia-a-dia de Curtis, Jeff Nichols faz-nos sentir o mesmo que o protagonista, partilharemos dos seus medos. Coloca-nos nos seus sonhos, nas suas alucinações, ficaremos tão obcecados como ele.

E os sonhos são uma constante no filme, desde o primeiro momento, tão reais e tão assustadores, que é recorrente não se distinguir facilmente o que é ou não realidade. Os sonhos são vividos com uma intensidade alucinante e, aliados às alucinações de Curtis, proporcionam momentos de suspense e uns bons arrepios, há momentos verdadeiramente perturbadores. A obsessão do protagonista aumenta ao mesmo tempo que a sua percepção dessa mesma obsessão. O terror da chegada de uma tempestade apocalíptica fá-lo questionar-se sobre a sua própria saúde mental.

O argumento é fantástico e leva-nos a ponderar diversas possibilidades, até ao fim, num culminar grandioso, que dará aso às mais variadas interpretações, todas elas inevitavelmente brilhantes. Mais ainda, há uma grande identificação e condescendência para com a personagem principal. Mais ou menos supersticiosos, quem não poria a hipótese de recuperação de um abrigo para tempestades caso alguma estivesse eminente?

A estrela do filme é Michael Shannon (que já merecia o devido reconhecimento), o protagonista Curtis, que nos oferece uma interpretação fantástica. O terror, o desespero, a impossibilidade que tem em controlar os sonhos e medos, a dificuldade que surge em relacionar-se com todos à sua volta, em explicar-lhes o motivo de determinados comportamentos, Shannon entrega-se totalmente à personagem, vive e faz-nos sentir tudo tão intensamente. Outro nome de destaque no elenco é a actriz do momento, Jessica Chastain, que, apesar de tudo, não tem um desempenho tão à altura do que nos tem habituado 

Procurem Abrigo oferece-nos ainda planos fantásticos e uma fotografia arrepiante, dirigida por Adam Stone. Este é um filme (também) visualmente incrível, com momentos que valem, por si só, a visualização.

Por todos estes motivos, Procurem Abrigo será um dos melhores filmes a estrear por cá este ano. O medo do fim ou o medo de nós mesmos, um filme para fazer pensar, muito para lá da sala de cinema.

9/10

Ficha Técnica:

Título Original: Take Shelter

Realizadores: Jeff Nichols

Argumento: Jeff Nichols

Elenco: Michael Shannon, Jessica Chastain, Shea Whigham, Tova Stewart

Género: Drama, Thriller

Duração: 120 minutos

Crítica escrita por: Inês Moreira Santos

*Por opção da autora, este artigo foi escrito segundo as normas do Acordo Ortográfico de 1945.