DSC_6941

Supernada na Queima das Fitas

Depois do tradicional cortejo no Domingo, dos Wraygunn à segunda-feira e dos Buraka Som Sistema à terça-feira, chega a vez de PranaX-Wife e a banda de Manel Cruz, Supernada.

Vê aqui a revista de um dos dias mais esperados por todos que encheram o recinto da Queima das Fitas, no dia 9 de maio, em Coimbra.

Prana, foi sem dúvida, uma das maiores surpresas da edição deste ano da Queima das Fitas. Ainda novos no panorama da música nacional, a banda de São João da Madeira, foi um dos Novos Talentos da FNAC e fortemente destacada na rádio Antena 3, este ano.

Muitos dos presentes no público parecem nunca ter ouvido falar desta banda do norte, mas a grande maioria saiu dali em êxtase total com a descoberta de uma nova banda para acrescentar à sua playlist pessoal.

O recinto ainda estava a encher, mas quem lá estava não deixou a banda desanimar. «Sabia que ia ser difícil, mas independentemente disso, correu tudo bem!»,  admitiu o vocalista Miguel Lestre, em conferência de imprensa.

Com formação em música clássica e outros com queda para o rock e jazz, a banda mostra bem a sua diversidade musical em palco. Etanol e Lei Zero, do segundo álbum Trapo Trapézio, foram alguns dos singles apresentados naquela noite em palco, onde a banda mostrou um à vontade sincero e  uma paixão pela música bastante visíveis, do início ao fim do concerto.

Pouco passava da uma da manhã quando os X-Wife entraram em palco. Já bem mais conhecidos do público, a banda fez revisão dos seus maiores êxitos, numa espécie de aquecimento para a comemoração dos 10 anos de carreira, no dia 10 de maio, na sala TMN ao Vivo em Lisboa.

Heart Of The World, On the Radio e Fireworks estiveram presentes. Até que João Vieira diz: «Foram precisos 8 anos para fazer uma balada», e começam os primeiros acordes de Across The Water, o novo single da banda, extraído do álbum Infectious Affectional.

Seguiram-se Ping PongFantasma, num ritmo acelerado, que deram ritmo à noite que finalmente se apresentava mais quente que as anteriores.

Sem darmos por isso, chega a vez de SuperNada. E com isto vemos o recinto a encher-se para ver, em pessoa, a magnificência de Manel Cruz.

Muito provavelmente, a maioria dos presentes apenas conheciam alguns singles dos SuperNada, e apenas quiseram, de certa forma, compensar o facto de não terem conseguido bilhete para os míticos concertos de regresso dos Ornatos Violeta. O certo é que, conhecendo ou não a obra de SuperNada, todos se mostraram bastante receptivos e satisfeitos com obra de Manel Cruz.

À tua procura, Sonho de Pedra, Irreal e Anedota + Eco da Gargalhada fizeram parte do concerto, sem esquecer do single de apresentação, Arte Quis Ser Vida, do novo trabalho, o primeiro registo de estúdio, dez anos depois da criação da banda.

Foi de som cru e com uma enorme brutalidade em palco, escondidos por trás de um nome que nada faz suspeitar, que a banda se apresentou a Coimbra ao longo de um concerto de noventa minutos.

Texto de Vanessa Sofia
Fotografia de Inês Antunes 

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Peaky Blinders
‘Peaky Blinders’ termina na sexta temporada mas volta noutro formato