Na primeira noite da semana sem chuva, o recinto do Terraplano de Santos encheu-se para receber a última noite de concertos da Semana Académica de Lisboa, numa junção de reggae e R&B.

Os concertos começaram com a atuação de Gonçalo Bilé, um jovem promissor no panorama musical português, que se define como um “cantautor de canções frescas e despreocupadas”. Cantou para um público ainda reduzido, pelas 21h30, um conjunto de canções, grande parte ainda desconhecidas do público, mas que foram bem recebidas. Já no final do espetáculo, “Amarrado (da cabeça aos pés)”, tema que dá nome ao primeiro álbum do cantor e que irá sair já no final do mês de maio, fez cantar as centenas de pessoas que até aí se haviam juntado. O objetivo do cantor de criar um estilo de música de intervenção cool, menos “pesado” do que o normal, mas que faça pensar, foi bem transmitido.

A noite prosseguiu com a subida ao palco dos The Heavy, banda inglesa, de que todos já ouviram falar mas de quem ninguém conhece as letras das canções. Não deixaram, no entanto, de impressionar o público português ao entrarem cheios de energia, chamando toda a gente para a frente do palco com um estridente “Good night Lisboa!”.

Toda a performance revelou-se surpreendente, uma vez que o vocalista da banda, Kelvin Swaby, mostrou uma energia inesgotável, ao longo de hora e meia de espectáculo. Os The Heavy tocaram músicas dos seus dois álbums, Great Vengeance and Furious Fire e The House That Dirt Built e levaram o público ao rubro com um dos temas mais conhecidos: How You Like Me Now?. A saída de palco deu-se de forma brutal, com o microfone de Kelvin a voar até ao chão do palco, lançado propositadamente pelo artista.

O momento mais esperado da noite deu-se com a entrada de Gentleman no palco principal, já depois da meia-noite e meia. O artista de reggae alemão conseguiu juntar os milhares de fãs presentes, que esperavam ansiosamente a entrada do cabeça de cartaz em palco. Durante um longo concerto, um dos maiores desta edição da Semana Académica de Lisboa, Gentleman cantou temas como Intoxication e Superior, seguidos em uníssono por todos os amantes deste estilo musical. Podemos dizer que não há vez que Gentleman suba a um palco português sem causar sensação.

Mais tarde, muitos foram os fãs delirantes de emoção quando o cantor chama o português Richie Campbell para cantar um tema com ele. Uma entrada tão inesperada levou os milhares de fãs a gritarem, vibrando e aos saltos com tamanha surpresa, que pode ser considerada como um dos momentos altos da noite e reflexo dos vários pedidos à organização da SAL 2012 para incluir o artista português no cartaz para este ano.

Como na noite anterior, foi no final da noite que mais se notou a impossibilidade do público parar de dançar, com os Pow Pow Movement tomaram conta do palco. A partir das 2h30 e até à hora marcada para o fim da festa (4h00), o grupo animou, e muito, as hostes com a sua música vibrante, já bem conhecida do público português. Depois de atuações em todas as edições do Sudoeste entre 2005 e 2010, este coletivo conhecido como “um dos mais lendários soundsystem europeus de reggae e dancehall”, chegou ao palco Moche! para “partir a louça toda”.

Foi isso mesmo que conseguiram, numa atuação de ver, dançar e chorar por mais. Assim terminou mais uma edição da Semana Académica de Lisboa, que, decerto deixará saudades aos milhares de estudantes lisboetas que não deixaram de marcar presença.

Fotografia: Andreia Martins