DIA 10 – 5 DE MAIO

Sábado foi o penúltimo dia do Indie Lisboa 2012, mas foi vivido como o último. O cheio Grande Auditório da Culturgest foi surpreendido com Kali, O Pequeno Vampiro que trouxe ao público a voz da mais recente perda do cinema português: Fernando Lopes.

Se no sábado se avançava com um balanço de bastante sucesso do festival, os “34 797 espectadores” que a organização registou ao longo de “233 filmes em 222 sessões, 19 das quais esgotadas” comprovam a ideia.

KALI, O PEQUENO VAMPIRO – 8/10

A temática dos vampiros tem sido explorada quase até ao extremo, mas em Kali, O Pequeno Vampiro ela faz sentido. A curta de animação de Regina Pessoa conta-nos a história de Kali, um vampiro cujo maior sonho é poder brincar ao sol com outras crianças. Enquanto vê o seu sonho distante, guarda objectos que lhe permitem estar mais perto dos outros. São a luz e a sombra que se juntam para tornar este filme interessante, mas é a voz que transmite os sentimos do protagonista de uma forma efectiva e que nos faz partilhar a tristeza viviva por Kali.

WUTHERING HEIGHTS – O MONTE DOS VENDAVAIS – 7,5/10*

O romance de Emily Brontë é mais uma vez adaptado ao cinema, desta feita pela mão de Andrea Arnold. A realizadora fixa-se na história de uma das gerações do livro e reconstrói-a, mantendo-se muito fiel ao trama original. Andrea Arnold arrisca e mostra de uma forma detalhada o processo de alteração de Heatchliff numa personagem vingativa e a destruição que a sua vontade de dar uma lição àqueles que o maltrataram na infância provocou. As emoções são exploradas ao extremo, de uma forma bastante explícita e que prende quem assiste. A opção por explorar o passado de forma detalhada e deixar o presente correr a um ritmo mais frenético poderá não ser a mais atractiva para quem assiste, mas resulta bem do ponto de vista da construção do protagonista-vilão e do amor falhado que resulta desse passado. A estreia nas salas nacionais está marcada para 10 maio.

LE SKYLAB – O VERÃO DO SKYLAB – 9/10*

Nunca regressar às memórias de um verão foi uma experiência tão deliciosa. Julie Delpy traz em Le Skylab – O Verão do Skylab uma criança de 11 anos, Albertine, que é um reflexo da própria realizadora na infância. É impossível descolar desta família cujas personagens são tão diferentes entre si, com traços bastante peculiares e que acabam por construir um todo funcional. É notório desde o primeiro momento que regressamos ao final dos anos 70 com uma fotografia e figurinos bem aplicados na construção da cena, para não falar da banda sonora sempre colocada no minuto certo do filme e até por vezes interpretada pelas próprias personagens. Alegre e fresco, Le Skylab não é mais do que um filme sobre famílias e memórias de infância. O que lhe garante uma distinção é o grau de pormenor de cada história no seio da família, vista como um todo constituído pelas partes e suas relações. Os portugueses vão poder assistir a este verão peculiar a partir de 17 maio nos cinemas.

DIA 11 – 6 DE MAIO

Domingo foi dia para assistir a Take Shelter, o novo trabalho de Jeff Nichols. O Indie Lisboa deixa a capital por este ano, mas promete a ela regressar de 18 a 28 de abril de 2013. O festival viajará por outras cidades portuguesas. Consulta a lista das cidades, datas e locais no final do artigo.

TAKE SHELTER – 8,5/10*

Inquietante é a palavra que melhor descreve Take Shelter – Procurem Abrigo de Jeff NicholsCurtis vive feliz com a sua família, apesar das dificuldades financeiras e dos problemas de saúde provenientes da surdez da sua filha. Toda a felicidade começa a desmoronar quando sonhos estranhos começam a invadir Curtis, que prefere lidar solitariamente com o problema. Foca a sua atenção na construção de um abrigo para tornados porque receia que as tempestades que invadem os seus sonhos se tornem realidade. E é uma linha ténue entre a realidade e a ficção para Curtis que conduz a um clímax inesperado e com uma mensagem clara de lidar com os medos de frente. Com um ritmo constante, o filme traz uma carga emocional bastante acentuada. Interpretações sólidas de Michael Shannon e Jessica Chastain. Para ver nas salas de cinema nacionais a partir de 17 de maio.

Extensões do Indie Lisboa 2012

Vila Nova de Famalicão – 10 de Maio –  Cineclube de Joane

Angra do Heroísmo – 13 a 19 de Maio –  Associação Cultural Burra de Milho

Coimbra – 22 de Maio –  Teatro Académico Gil Vicente

Castro Verde – 23 e 30 de Maio e 6 e 13 de Junho –  Câmara Municipal de Castro Verde

Odivelas – 3, 13 e 29 de Junho  – Centro Cultural da Malaposta

Montemor-o-Novo – 15,16 e 17 de Junho –  Associação Cultural de Arte e Comunicação Oficinas do Convento

Santarém – 22 a 24 de Junho – Cineclube de Santarém

* – Os filmes indicados com * terão críticas desenvolvidas no Espalha-Factos aquando da sua estreia nas salas de cinema nacionais