Wuxia é um género literário e cinematográfico que mistura fantasia e artes marciais. Wu significa “marcial” ou “militar” e xia, significa “honrado” ou “herói”. Com uma origem que se perde no tempo, as histórias Wuxia contam as lendas de guerreiros de artes marciais, que com um grande sentido de honra, muito estudo e supressão dos seus próprios sentimentos em nome de um bem superior, conseguem ultrapassar todas as adversidades. Heróis de Outrora, Heróis de Agora é uma retrospectiva cinematográfica de como o século XXI (2000-2010), foi repescar estas estórias milenares e as actualizou aos dias de hoje, sem desprezar os seus antigos valores.

“É lindo”, diz Sun Bin (Sun Honglei). Poucos discordarão. Mas o problema de The Warring States não se encontra na componente visual. Também a banda-sonora, cenários e guarda-roupa serão de qualidade inferior à de um filme wuxia típico. As imperfeições não se encontram, na maioria, na forma, só no conteúdo. Se há filmes que são considerados épicos majestosos, visualmente espantosos como um O Tigre e o Dragão, eles não estariam no top de escolhas de qualquer amante de cinema se não tivessem alma. E em The Warring States existe uma carência mortal de alma.

A narrativa, atravessando o período dos Estados Guerreiros, dificilmente carece de acontecimento mais trágico do que aquele a que assiste a China dos séculos 475 A.C. até 221 A.C., no qual irmãos batalham entre si, famílias desmembram-se, devido a facções políticas que guerreiam entre si para adquirir o controlo do território chinês. Onde há história há mito e, torna-se difícil separar a realidade da ficção. E The Warring States relata a estória de Sun Bin, um alegado descendente de Sun Tzu, que escreve a sua própria Arte da Guerra. O manuscrito sobreviveu até aos tempos actuais e, do que foi possível interpretar, pois logicamente as folhas de bamboo foram decaindo com a passagem do tempo, se retirou alguma inspiração para a obra The Warring States. Sublinhe-se alguma visto que Sun Bin é retratado  em filme como um tolo que alterna entre os estados de cordeirinho apaixonado, estupidez natural e a capacidade intelectual de um verdadeiro homem sábio.

Conta-nos uma breve introdução do filme que existiu um grande mestre chamado Guiguzi, de quem se diz que conheceria os mistérios da arte da guerra. Os dois pupilos que lhe sobreviveram Sun Bin (Sun Honglei) e Pang Juan (Francis Ng) são separados pelo destino e, enquanto este último se torna um general do Estado de Wei Sun Bin, deixa-se capturar pelo Estado de Qi. Lá, o tolo, apaixona-se por uma general mortífera e prometida do imperador de Qi (Kiichi Nakai), Tian Xi (Jiang Tian), uma linda actriz chinesa na sua estreia em cinema. E grande parte do filme é assim, com um Sun Bin, qual cachorrinho apaixonado a deixar-se espancar por Tian Xi por que ela tem uns “lindos olhos”. Se a paixão de Sun Bin por Tian Xi, não é de admirar pois que ela é realmente o epítome de beleza oriental, por outro, incomoda ver uma rapariga de beleza angelical, frágil até, a decapitar e esquartejar os seus inimigos. Haverá imagem mais desfasada? Depois chega Pang Juan, que pelos vistos também tem um fraco pela mesma rapariga e acaba por afastar Sun Bin dela, levando-a para o Estado de Wei. E como se o enredo não fosse confuso o suficiente, Pang Juan tem uma irmã (Hee-soon Kim), Lady Fei que é casada com o imperador de Wei, mas terá sido em tempos, prometida de Sun Bin. Ainda mais estranho é o modo como os personagens circulam por entre os reinos, como se não estivessem em pleno estado de guerra. Ora, se um imperador sabe que tem em seu poder alguém que conhece os segredos da arte da guerra que podem ajudá-lo a vencer o conflito, é no mínimo estranho, que deixe o estratega ir-se embora com o inimigo.

Talvez no sentido de justificar estes actos, os argumentistas que incluem os imperadores de Qi e Wei, tornaram a personagem de Sun Bin estúpida. Só assim se compreende como uma arma tão poderosa pode ser descartada tão facilmente. Além disso, isto ajuda a cimentar o caracter trágico de Sun Bin e não apenas um sábio além do seu tempo. É no estado de Wei, na companhia do seu irmão de estudos Pang Juan, que Sun Bin sofre a derradeira traição. Após ser gentilmente convidado a revelar os segredos da arte da guerra, Pang Juan e o imperador mandam torturá-lo, para que o faça. Sun Bin fica aleijado para o resto da vida, facto este que está documentado historicamente e não resulta de uma ideia infeliz para injectar drama na estória. É nas personagens e na montagem que residem as maiores falhas da trama. Sun Bin, tem um crescimento demasiado rápido para ser credível, entre a estupidez e a sabedoria, convenhamos, ainda há um longo caminho a ser percorrido, Tian Xi é outra incoerência já que primeiro é uma guerreira forte que considera as atenções de Sun Bin indesejadas, para depois, por um qualquer ar que lhe gracejou a tez linda, ver-se irremediavelmente perdida de amores por ele. Lady Fei é trágica durante todo o filme, mulher de acção, que contorna a seu belo prazer a corte, sai sempre prejudicada em todos os seus planos. Ninguém a ouve. Ela, que é capaz de ser a personagem mais perspicaz do filme. Por fim, temos um Pang Juan que perde toda a afeição inicial por Sun Bin a bem do poder e de um ciúme incontido por Bin e Tian Xi. Deve ser demasiado mau para ele, pensar que um tolo possui um segredo que poderá mudar o curso da guerra e ele não. Pior ainda, o tolo possui as atenções da mulher que ama. Vai daí, embora torturá-lo.

The Warring States é tudo isto, rodeado das eventuais intrigas e esquemas dos imperadores. Mais novela que filme de guerra, mais melodrama que acção. Sendo que a acção é acompanhada por uma das piores edições que tive oportunidade de assistir ultimamente. Há cenas que nos remetem para outras cenas anteriores que foram provavelmente cortadas na mesa de edição. Há até saltos temporais cuja duração é suposto adivinharmos. Dias, meses, anos? Não precisamos dessa informação para nada, supostamente devemos conseguir acompanhar a estória sozinhos, ou isso, ou conhecer a estória original. É uma edição de amadores. Confusa, frenética, deficiente. Estes adjectivos poderiam também referir-se à globalidade do filme. The Warring States é bonito e pouco mais.

4/10


Ficha Técnica:
Título Original: Zhan Guo
Realizador: Jin Chen
Argumentista: Zige Fang, Enhe Feng e Degang Guo
Elenco: Sun Honglei, Jing Tian, Francis Ng, Hee-seon Kim, Jiang Wu e Kiichi Nakai.
Género: Acção, Drama, Guerra
Duração: 126 minutos

 

*Por opção da autora, este artigo foi escrito segundo as normas do Acordo Ortográfico de 1945.