Os Plane Ticket são oriundos de Torres Vedras e são compostos por um quarteto formado por Leonel Nunes, Pedro Manuel Silva, João Matias e Filipe Damil Vicente. Com a sua formação a datar de meados do ano de 2011, foram constantemente produzindo algum material que ia conseguindo captar a atenção dos adeptos de música indie rock.

Passados sensivelmente 8 meses da sua formação enquanto banda, os torreenses lançam agora o seu primeiro registo. Trata-se de um curto EP, composto por cinco faixas, intitulado Under The Quiet Sky, que contou com a parceria da Cakes And Tapes.

Under The Quiet Sky é condimentado unicamente na língua de Shakespeare. Com uma sonoridade bastante alicerçada na importância da bateria e da bassline, características predominantes do movimento post-punk, cria-se, ao longo de todo o registo, uma agradável fusão entre a vertente instrumental e a vertente lírica.

Com uma liberdade criativa alheia a fronteiras, vão fazendo com que o ouvinte levite num clima atmosférico envolto de saudosismo, aliado à diversidade de géneros musicais que podemos escutar ao ouvir Plane Ticket. Sente-se o pesar do new wave, pitadas de post-punk ou, até mesmo, algumas características predominantes dos 80’s, mas o que mais sobressai é mesmo a faceta indie rock. Nomes como Interpol, The National ou até mesmo Bauhaus podem facilmente chegar-nos à memória quando escutamos este EP.

Apesar de ser bastante pequeno, existem momentos deste EP de estreia dos Plane Ticket que acabam por merecer nota máxima. Trench Line ou The Walker constam na minha lista favorita de canções nacionais que foram lançadas durante este ano. São faixas que estão magnificamente bem conseguidas, que me conseguem fazer escutá-las seguidamente durante um número de vezes incognoscível.

http://www.youtube.com/watch?v=Ot6qzVfHBPQ

Contudo, Under The Quiet Sky acaba por não ser um registo perfeito na sua totalidade. Apesar de se ouvir maravilhosamente bem, a sua qualidade pode dispersar-se um pouco devido ao facto da sonoridade nos parecer igual a cada música. Trata-se de um EP bastante homogéneo, o que pode não agradar a todos os ouvintes.

Em compêndio, com este registo de estreia, os torreenses Plane Ticket acabam por provocar água na boca aos seus seguidores mais atentos. Espera-se já desmedidamente que o quarteto se inicie pelos LP’s e continua a produzir este som bastante agradável, pintado por paisagens vintage, como foi patenteado neste oásis do panorama alternativo português, que é este Under The Quiet Sky.

Nota do registo: 8,9/10