estate-che-non-viene-4

Viajando pelo Sul de Itália

No quinto dia do 8 1/2 Festa do Cinema Italiano destacam-se cinco curtas-metragens, que fazem parte da sessão Il Corto. A maioria das curtas exibidas retratam acontecimentos marcantes no Sul de Itália, como as manifestações de racismo contra os imigrantes, as revoltas de 1971 na região de Calabria e o terramoto na cidade de Aquila.

IL CORTO 4/10

Na sessão Il Corto foram seleccionadas cinco curtas que representam um laboratório de jovens realizadores com um futuro promissor no cinema italiano.

A primeira curta de Pasquale Marino, L’estate che non viene, narra a história de três jovens que anseiam por passar o Verão juntos. Porém um deles está na iminência de chumbar, o que arruina as férias planeadas pelo trio. Quando decidem convencer a professora a passar o amigo, usando uma história comovente, o estratagema é desmascarado. A situação complica-se para os rapazes que, num acto de desespero, raptam a professora. Infelizmente o final em aberto do filme foi pouco convincente e esclarecedor em relação ao rumo da história.

Chjàna, que significa planície, do realizador Jonas Carpignano foi a segunda curta exibida nesta sessão. O filme, baseado em factos reais, aborda a revolta dos imigrantes africanos contra as manifestações racistas por parte dos habitantes do sul de Itália. Construída segundo o ponto de vista do imigrante, Chjàna capta o medo e a raiva destas pessoas que deixaram o seu país de origem para ter uma vida melhor em Itália. Escorraçados do país, os imigrantes tentam fugir na esperança que talvez um dia possam regressar, rezando que o amanhã seja melhor do que o hoje.

A curta In Attesa dell’ Advento dá uma nova interpretação aos acontecimentos que sucederam em duas datas distintas na História italiana: 1861, ano da Unificação de Itália e 1971, ano em que ocorreu a revolta de Calabria, capital da região. Apesar do tema forte e historicamente importante, o realizador não conseguiu com sucesso transmitir a sua visão contemporânea dos eventos. Os frames eletrizantes e as cenas imensamente paradas e isentas de sentido, fizeram com que o filme perde-se o seu potencial, que à partida dava expectativas.

Por fim foram exibidas as curtas Il Capo e Della mutevolezza di tutte le cose e la possibilità di cambiarne alcune. A primeira de Yuri Ancarni reproduz uma multiplicidade de sons, criando uma sensação de inferno ruidoso. Já a última curta da realizadora Anna Marziano, documenta o terramoto de Aquila através dos depoimentos das testemunhas e familiares que sofreram com essa tragédia natural.

Para amanhã, dia 18 de Abril, a programação da Festa do Cinema Italiano sugere um filme de grande qualidade, Là-Bas, realizado por Guido Lombardi, um dos realizadores que participou no filme Napoli 24. O título do filme é o nome dado à palavra que os africanos usam para identificar o sonho de uma Europa que não coincide com a realidade. E com esta sugestão concluímos mais um dia de cinema italiano, voltando amanhã com mais novidades.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
‘Anatomia de Grey’ chega ao fim antes do previsto