Começa hoje no polo II da Escola Superior de Educação de Coimbra Até Já!… Mostra e Conversa sobre Teatro, um ciclo de conversas e mostras teatrais que refletem a passividade vs. ativismo da juventude atual, tendo por base alguns textos teatrais.

Um grupo de alunos do 2ºano da licenciatura de Teatro e Educação da Escola Superior de Educação de Coimbra (ESEC) decidiu ultrapassar o estigma de “jovens passivos” e organizar este ciclo de debates e representações cujo principal objetivo é mostrar aos participantes que há futuro para os jovens e que estes têm o poder de trabalhar e mudar a conjuntura atual.

Esta é também uma forma de mostrarem à comunidade alguns exercícios realizados na preparação de um Musical de Intervenção por eles construído e que tem estreia marcada para o final de junho. Textos, músicas, discursos, vídeos e cenas de algumas peças serviram de base para a construção do produto final, que está a ser preparado no âmbito da disciplina de Laboratório Teatral.

Até Já!… Mostra e Conversa sobre Teatro propõe aos participantes refletirem sobre a atualidade tendo por base algumas peças teatrais. A primeira sessão inspira-se em Volta ao Lar, de Harold Pinter e aborda temas como o poder, a inveja e a ganância – hoje, pelas 21h30 no polo II da ESEC, junto à Faculdade de Economia. As lágrimas de Petra Von Kant, no dia 15 de abril, Dia de Sodoma, a 20 de abril, ou Homem Adentro no dia 28 de abril são algumas das sessões que se seguem. O ciclo acaba dia 5 de maio com o Bailado do Deus Morto, onde serão debatidas questões relacionadas com a moralidade religiosa.

Propomo-nos partilhar com o público os nossos exercícios, longe de qualquer certeza sobre o profissionalismo com que o fazemos, lembrando que ainda somos estudantes e que todos estes exercícios foram feitos em âmbito escolar”, lembram os estudantes na sua apresentação. As reservas devem ser feitas site oficial devido à lotação limitada do local. A entrada é gratuita e os participante são convidados a ajudar à produção do espetáculo dos jovens atores “com aquilo que lhes for possível deixar”.