Hoje, na décima primeira edição do Gira o Disco, o Espalha Factos relembra o percurso da vida e obra de uma das mais emblemáticas figuras do século XX e um dos mais importantes artistas da música soul de sempre: Otis Redding.

Otis Redding nasce a 9 de Setembro de 1941 na pequena cidade de Dawson, no estado da Georgia, mas bem cedo ele e sua família mudam-se para Macon, também na Georgia.

Otis, ainda em idade precoce, descobre o interesse pela música, começando por integrar, aos 5 anos de idade, o coro de uma igreja e vindo mais tarde, na adolescência, a vencer um concurso de talentos do Douglass Theater durante 15 semanas consecutivas.

A sua primeira e marcante influência musical foi Little Richard, outro grande artista que vê o seu nome escrito na lista dos maiores artistas de sempre, que também tinha vivido em Macon. Ainda na adolescência resolve abandonar a cidade, acreditando que se aquele não tinha sido o lugar para Little Richard, não seria o seu lugar também.

Em 1960, Otis começa por fazer uma digressão pelo sul dos Estados Unidos com Johnny Jenkins and The Pinetoppers, onde além de cantar, funcionava como motorista de Jenkins. Ainda no mesmo ano faz as suas primeitas gravações, Fat Gal e Shout Bamalama, com a sua banda já como o nome Otis Redding and The Pinetoppers.

A primeira vez que vi Otis não tive a mínima ideia de quem ele era. Foi na sidewalk no 926 East McLemore Avenue em Memphis, onde era sediada a Stax Records. Este homem estava a descarregar equipamentos e malas de uma camionete, levando-os para o estúdio. Ele era motorista do cantor Johnny Jenkins. Eu não o vi muito o resto do dia até mais tarde, quando ele me pediu para fazer a sua audição. Ele cantou These Arms Of Mine. A mim não me pareceu de todo tratar-se de uma audição. Foi uma performance. Não era o tamanho da sua voz, nós sabíamos de muita gente com os poderes vocais iguais aos dele. Era a emoção e a intenção com que ele interpretava. Todo ele era emoção. Foi como pensar – este rapaz não está definitivamente a cantar por dinheiro. Eu acho que ele nunca o fez.”, contou Steve Cooper, que tinha sido produtor e guitarrista na Stax Records e trabalhado proximamente com Redding.

Em 1962, estreia-se a solo e no solo do mundo da música quando então faz uma sessão de Johnny Jenkins e grava o tema This Arms Of Mine, uma balada da sua autoria. Como era de esperar e, por isso, sem surpresa, a canção tornou-se um êxito.

httpv://www.youtube.com/watch?v=jqVrNK4uiB4

These Arms Of Mine

São vários os artistas influenciados pela música e legado de Redding e que hoje, assim como ele, gozam de um vasto reconhecimento global, como Al Green, Chris Robinson e Toots Hibbert.

O seu registo de estúdio de estreia Pain In My Heart foi lançado em Janeiro de 1964 pela Stax Records, mas assinado pela Volt. Otis escrevia a maioria das suas músicas, algo pouco comum naquela época, tendo por vezes se arriscado a fazer parcerias com Steve Cooper dos Booker T. & the MG’s.

Redding embora não tenha sido um cantor com um grande alcance vocal, era um artista, nem que seja pelo sentimento e intensidade que transpunha para as suas composições e interpretações. Na verdade o seu poder vocal era até limitado, mas a sua voz rasgada e os seus espectáculos fortes e sentidos foram o que bastaram para fazer dele um dos maiores cantores soul de todos os tempos. Embora aquando do seu desaparecimento e desde então seja saudado como o Rei da música soul, ou mundialmente como King Of Southern Soul, o sua obra teve também um impacto significativo sobre o público pop, não tenha ele vindo a actuar no influente Festival pop de Monterey, corria o mês de Julho de 1967, materializando-se por isso como um dos primeiros artistas soul e R&B a apresentar-se no oeste dos Estados Unidos.

httpv://www.youtube.com/watch?v=UnPMoAb4y8U

Try A Little Tenderness

httpv://www.youtube.com/watch?v=GGlKJDEI1Nk

I’ve Been Loving You

Depois das primeiras apresentações, recebe muito boas críticas pela crítica especializada, o que faz com que os suas músicas comecem a chegar até aquilo a que chamamos de mainstream.

(Sittin’ On) the Dock of the Bay, gravado em Dezembro de 1967, é o seu mais famoso tema, é a música que provavelmente melhor conhecemos dele, mas a sua popularidade só chega postumamente, um ano depois da morte do artista num acidente aéreo em Wisconsin, juntamente com a sua banda, os Bar-Kays, tendo a canção inclusive tornado-se no único single de Redding a chegar à liderança da Billboard Hot 100.

httpv://www.youtube.com/watch?v=UCmUhYSr-e4

(Sittin’ On) The Dock of the Bay

Algumas são as suas músicas que têm ganho ao longo dos anos versões de vários outros nomes do panorama da música mundial: A famosa música Respect, embora imortalizada na voz de Aretha Franklin, foi originalmente escrita e gravada pelo artista e lançada em 1965 no álbum Otis Blue. Também a banda de rock norte-americana The Black Crowes fizeram sucesso com uma versão da Hard To Handle.

Para além de existirem variadas versões gravadas de alguns temas de Otis por outros artistas, Redding também tem sucessos com músicas fora da sua linha de autoria, como a Satisfaction, original dos Rolling Stones, e a Shake de Sam Cooke.

httpv://www.youtube.com/watch?v=quha6C3P2YU

Cigarettes And Coffee

O cantor apesar de ter sido e continuar a ser como um dos favoritos entre os negros, também conta com uma preferência considerável por parte da audiência branca, sobretudo após a sua apresentação no Festival pop de Monterey, onde, com uma performance intensa, foi apresentado e recebido com entusiasmo pelos fãs de rock brancos.

Otis Redding é indiscutivelmente um importante nome no cenário da história da música mundial, devido ao seu enorme contributo e progresso para a músical soul e Rythm&Blues. Um influente cantor americano, imortalizado pelo seu estilo romântico. Um artista que não deverá ser esquecido, decerto que não.