Wuxia é um género literário e cinematográfico que mistura fantasia e artes marciais. Wu significa “marcial” ou “militar” e xia, significa “honrado” ou “herói”. Com uma origem que se perde no tempo, as histórias Wuxia contam as lendas de guerreiros de artes marciais, que com um grande sentido de honra, muito estudo e supressão dos seus próprios sentimentos em nome de um bem superior, conseguem ultrapassar todas as adversidades. Heróis de Outrora, Heróis de Agora é uma retrospectiva cinematográfica de como o século XXI (2000-2010), foi repescar estas estórias milenares e as actualizou aos dias de hoje, sem desprezar os seus antigos valores.

Eis-nos chegados à segunda e última parte do épico com 280 minutos de duração de John Woo. A Batalha de Red Cliff – parte 2, inicia-se com um prólogo que torna a visualização do primeiro filme desnecessário. Ele demonstra como o ingénuo imperador do Estado Wei foi persuadido pelo primeiro-ministro Cao Cao (Fengyi Zhang) a atribuir-lhe o controlo do exército e de como ele partiu numa missão de conquista dos povos do sul. Estes, em tempo de desespero, formam uma aliança para combater os 800 mil homens do exército do invasor. Num ataque inicial os aliados conseguem rechaçar os soldados de Cao Cao, mas vêem-se, por fim, frente a frente com a poderosa frota naval do invasor. A Batalha de Red Cliff finda neste ponto. Estamos apresentados.

A Batalha de Red Cliff – parte 2 inicia-se com a bela Sun Shangxiang (Zhao Wei) infiltrada no acampamento inimigo. A irmã do líder do Estado de Wu, Sun Quan (Chen Chang) disfarça-se de soldado e corresponde-se com o aliado Zhou You, revelando-lhe os planos do adversário. Ela inicia uma amizade com um soldado, que no seu fraco intelecto acaba por auxiliá-la, de modo indirecto, a deslindar os segredos inimigos e a transmiti-los ao exército estacionado em Red Cliff. Entretanto, uma epidemia de febre tifóide afecta os soldados de Cao Cao pouco habituados ao clima do sul e a viver em condições de higiene muito rudimentares. Cao Cao, ao invés de enterrar os mortos decide enviá-los em embarcações para a outra margem, com o objectivo de desmoralizar o adversário. É a guerra no seu pior. Até Zhou You se dá ao luxo de afirmar o óbvio: “é guerra psicológica”.

Em A Batalha de Red Cliff – parte 2, quase todas as ameaças de John Woo são cumpridas. Se na obra inaugural, se ensaiava a proeminência dos actores Tony Leung e Takeshi Kaneshiro, na última parte, é concretizada. Ambos brilham nos papéis do vice-rei Zhou You, um homem perfeito em todos os aspectos, e de Zhuge Liang, um estratega militar que ninguém desejaria ter contra si. As cenas de camaradagem entre irmãos de armas e os discursos inflamados dos generais para despertar o heroísmo dos respectivos exércitos ocupam grande parte do argumento. Como se não bastasse e para reforçar um sentimento patriótico, quase todos os caminhos do diálogo dos heróis tomam esse caminho: a necessidade do sacrifício colectivo por um bem maior.

No entanto, há uma cedência a algumas asserções sugeridas n’ A Batalha de Red Cliff que provocam o enfraquecimento da narrativa. Por exemplo, é sugerido que Xiao Qiao (Chiling Lin), a esposa de Zhou You, é a causa da guerra. Cao Cao guarda um desejo ardente por Xiao Qiao desde a única vez que a viu. Existe o rumor que Xiao Qiao é a mulher mais bela de toda a China e para o homem mais poderoso em todo o território, possuir pouco menos que o melhor é um feito menor. O grande estratega Cao Cao desaparece por completo a partir da segunda metade do filme, na sua arrogância e enlevo. Seria de pensar que um homem com um historial de invencibilidade fosse mais inteligente do que isso. Mas aparentemente, um exército de 800 mil homens e uma bela mulher são capazes de toldar o juízo a qualquer um. Além disso e apesar de Woo, ter um qualquer acesso de simpatia pelas actrizes do seu filme, estendendo os papéis de Zhao Wei e Chiling Lin, estes são fracos. A introdução, quase toda dedicada a Sun Shangxiang perde-se em momentos infantis. A sua actividade como espia é absurda. Seria impossível dar mais nas vistas sem ser detectada. Também, apesar de Sun ser aguerrida, dificilmente se consegue acreditar que a irmã do herdeiro do trono de Wu, fosse autorizada a infiltrar-se no acampamento do inimigo para espiar. O resultado óbvio tanto podia ser a morte dela como a sua utilização como moeda de troca de Cao Cao e essa é mais uma desvantagem que os heróis com certeza não quereriam ter.

A Batalha de Red Cliff – parte 2 sofre de uma quebra de ritmo desesperante. Apesar de o primeiro filme, introduzir com calma uma estória complexa e os heróis lendários que inspiraram muitas adaptações em livros, filmes e jogos de computador, concluindo numa cena indutora de suspense, do último filme já não se pode dizer o mesmo. A trama arrasta-se entre cenas de intimidade entre o casal estrela, conversas de circunstância-guerra e múltiplos golpes de parte a parte. A principal vitória d’A Batalha de Red Cliff – parte 2 é a estratégia militar, com direito a espiões, decepções, guerra psicológica e contrainformação. Contudo, os entrementes, são indignos de estratégias tão brilhantes e de batalhas visualmente espantosas. Na película inicial houve direito a introdução da trama e dos personagens. Será mesmo necessário repisar estas questões? Nota-se que a narrativa se arrasta sem necessidade ou porventura, podia ter sido desenvolvida de outro modo. Se, forem fãs de heróis como Gan Xing (Shidô Nakamura) ou Guan Yu (Ba Sen Zha Bu), ficarão desiludidos com o pouco tempo de ecrã ou a inexactidão da sua estória no relato dos factos. Ainda mais, se tivermos em conta a sua fama como guerreiros.

A Batalha de Red Cliff – parte 2 culmina pois numa batalha apoteótica, ideal para quem já ultrapassou três horas para assistir ao desenlace. Desde a construção do cenário à imagem digital, nada é descuidado. Tudo ao nível de uma película de John Woo. O espectáculo a que já nos habitou. Peca, somente por uma conclusão rápida que não deixa antever convenientemente o destino dos personagens mais queridos. No seu todo, A Batalha de Red Cliff é pouco desigual e honra não só o evento real em que se baseou como a fama há muito estabelecida dos épicos wuxia de Hong Kong.

6/10
Ficha Técnica
Título Original: Chi bi xia: Jue zhan tian xia
Realizador: John Woo
Argumentista: John Woo, Khan Chan, Cheng Kuo e Heyu Sheng
Elenco: Tony Leung Chiu Wai, Takeshi Kaneshiro, Fengyi Zhang, Chen Chang, Zhao Wei, Jun Hu, Shidô Nakamura, Chiling Lin, Yong You, Wang Ning e Ba Sen Zha Bu
Género: Acção, Drama, Aventura
Duração: 142 minutos

*Por opção da autora, este artigo foi escrito segundo as normas do Acordo Ortográfico de 1945.