2962 pessoas subscreveram a petição Pelo Regresso da Exibição Regular de Cinema à RTP2, procurando sensibilizar a estação para a escassez de conteúdos cinematográficos. Agora, com o regresso apenas temporário da rubrica Cinco Noites, Cinco Filmes, o grupo-redactor da petição volta a dar o mote para uma verdadeira revolta, nas redes sociais, contra esta decisão da RTP2.

Entre os subscritores da petição, online desde 2010 e entregue na Assembleia da República em 2011, bem como apoiantes da iniciativa, encontram-se personalidades – do cinema e não só – como Adriano Luz, Ivo Canelas, Inês de Medeiros, Daniel Sampaio, Beatriz Batarda, Rui Morrison, Catarina Portas, Jorge Silva Melo, entre muitos outros. Para além desta iniciativa, os peticionários mantêm um blog e realizaram, também no ano passado, um debate sobre o cinema na RTP2, que contou com a presença de João Mário Grilo, Paquete de Oliveira e Jorge Wemans.

A RTP2 anunciou agora a reposição de Cinco Noites, Cinco Filmes nas semanas antes e depois da Páscoa, de 2 a 13 de abril, apresentando uma nova imagem e ciclos organizados por tema: adolescência, na primeira semana, e política na segunda. Tudo levava a crer que a rubrica estaria definitivamente de volta ao segundo canal da estação pública, o que parecia “ir ao encontro das pretensões dos 2962 subscritores da petição”, refere Luís Mendonça, um dos peticionários.

Contudo, tratou-se apenas de uma vitória “muito amarga” para estes cinéfilos, que desde há dois anos tentam manifestar este “interesse público” à RTP2. Nestas duas semanas de Cinco Noites, Cinco Filmes, o canal pretende utilizar, mais uma vez, “o cinema como mero estuque para tapar os buracos que tenha na programação, numa postura que não apenas denigre o cinema enquanto arte, ao torná-lo simples matéria de substituição da programação habitual, como representa um flagrante desrespeito pela vontade do seu público-alvo”, defende o grupo-redator em comunicado.

Luís Mendonça manifesta também a sua indignação, em declarações ao Espalha-Factos: “o 5 Noites, 5 Filmes é desenterrado para ser enterrado logo a seguir – e do desenterro ao enterro brinda-nos este canal ‘de serviço público’ com duas míseras semanas de ‘bom cinema’“. Este “falso alarme” simboliza, para os peticionários, uma continuidade da política da 2, mesmo depois do diretor Jorge Wemans, também “programador de cinema do canal”, admitir, no debate promovido pelo grupo-redator, “ter feito muito pouco para dignificar o cinema”.

Por tudo isto, as ações de sensibilização vão prosseguir e algumas delas estão já em marcha: circula pelos blogs e pelo Facebook uma imagem, já partilhada por mais de 300 pessoas através da página oficial da iniciativa, que mostra o interesse na manutenção da rubrica Cinco noites, Cinco Filmes para lá da Páscoa. “Temos apelado a todos os nossos seguidores para deixarem as suas opiniões nas caixas de comentário da página do Provedor RTP”, José Carlos Abrantes, bem como na página da comunicação da RTP que dá conta desta programação.

Segundo Luís Mendonça, “estamos a preparar uma carta que queremos entregar em mãos ao atual Provedor RTP”. No blog Pelo Regresso da Exibição Regular de Cinema à RTP2 encontram-se também todas as atualizações relativamente a esta iniciativa. Pessoalmente, diz o peticionário, “não descarto a hipótese de apresentar uma queixa formal à ERC, por estar a haver um claro desrespeito do Contrato de Concessão de Serviço Público, onde regularidade, variedade e pedagogia são palavras-força no que diz respeito à programação de cinema”.

Os cinéfilos que defendem esta exibição mais regular de cinema na RTP2 manifestam-se nas redes sociais e fora delas, agregando novos públicos para a causa. A página de Facebook tem já quase 3000 “gostos”, mas isso não chega. É preciso serem ouvidos pela direção da RTP2 e verem as suas reivindicações atendidas. “Como dizia João Mário Grilo no debate ‘Cinema na RTP2’, se um canal como a RTP2 insiste em não ouvir o seu público, como poderá esperar que depois alguém venha defendê-lo de uma eventual medida de privatização?”, acrescenta Luís Mendonça.

Assim, “embora já tenha fechado a janela de subscrição da petição, não descansaremos na defesa de uma causa que, mais do que justa, nos parece auto-evidente”, referem em comunicado. Luís Mendonça destaca que “o nosso objetivo permanece intacto: ligar o canal 2 e poder ver mais cinema, devidamente contextualizado”.