É esta a interrogação que traduz o mote lançado este ano pelo Panorama, a mostra do documentário português. Entre 13 e 21 de Abril, a Cinemateca Portuguesa e o Cinema São Jorge irão receber a 6ª edição do festival. Ao longo de uma semana serão 75 os filmes apresentados, fazendo um percurso desde as origens do cinema em Portugal até às linguagens mais contemporâneas do documentário.

Na abertura do festival, exibição conjunta dos célebres Nazaré (Leitão de Barros), Alfama, a Velha Lisboa (João de Oliveira e ) e Douro, Faina Fluvial (Manoel de Oliveira), numa sessão que será musicada ao vivo por Noiserv.

A música ao vivo é aliás um reflexo do destaque dado às sessões da rubrica Percursos no Documentário Português A Imagem Muda; para além de Noiserv, também Filipe Raposo irá musicar  algumas sessões e, por fim, António Bruheim Quintento tem a seu cargo a sessão de encerramento do festival.

O Panorama conta ainda com a exibição de seis primeiras obras, representativas do novo fulgor do documentário português e nove filmes em estreia. A programação completa pode ser consultada aqui.

Esta mostra é uma iniciativa da ApordocAssociação pelo Documentário, a Videoteca de Lisboa, numa co-produção com os espaços associados (Cinema São Jorge e Cinemateca Portuguesa) e em parceria estratégica com a EGEAC.