A TVI decidiu abandonar o sistema de audiências da GfK, empresa que no início deste mês começou a prestar o serviço às televisões. Para Júlia Pinheiro, antiga apresentadora do canal, esta atitude é “quase infantil”.

Em declarações ao Correio da Manhã, Júlia Pinheiro afirmou estar “perplexa” com a decisão da TVI face ao novo sistema de medição de audiências. Nunca altura em que os resultados das audiências não se mostram muito positivos para a estação de Queluz, a apresentadora acha “quase infantil” que haja uma “rutura de um acordo”.

Júlia Pinheiro acrescentou, ainda, que esta posição do canal é de “uma enorme gravidade e pouco sério. Não se defendem lideranças com reações deste género. Serão nervosismos? Para mim isto é medo e mostra alguma imaturidade. Se calhar quem toma estas decisões não tem experiência”.

A cara do Querida Júlia salientou que “colocar em causa a seriedade do sistema de um mês e meio depois não é honesto”.

O novo sistema da GfK, escolhida em concurso com a Marktest, foi implementado a 1 de março, com dois meses de atraso, e após a última operadora se ter recusado a prestar o serviço, por “degradação do painel“. Nessa altura, com o novo sistema em vigor, foram apontados diversos erros, como a subrepresentação de algumas faixas etárias no painel de medições, atrasos no envio da informação e até momentos em que a audiência medida foi zero, como aconteceu com a RTP. A Comissão de Análise e Estudos de Meios (CAEM) veio a público defender o novo sistema e argumentar que, com a Marktest, houve mais de 50 situações semelhantes no primeiros três meses do ano.

Mais informação sobre o tema num artigo de Christopher Marques, aqui.