Chegou na passada quinta-feira aos cinemas portugueses e tornou-se líder de bilheteira. Dos mesmos criadores de Gru, o Maldisposto, é a proposta ideal para uma tarde de cinema em família. Lorax é o novo filme para os mais pequenos.

Estamos em Milfins, um estranho local de onde a natureza há muito desapareceu. Na vila, tudo é fabricado, até o próprio ar. Mas a situação parece natural para os habitantes que celebram até o facto de tudo ser falso.

É aqui que mora Ted, juntamente com a sua mãe e com a sua avó. Este aventureiro por natureza está apaixonado por Audrey e por ela é capaz de cometer as maiores loucuras. No dia em que a bela rapariga mostra a Ted uma pintura com árvores e lhe diz que era capaz até de dar um beijo a quem conseguisse arranjar uma árvore de verdade, o rapaz vê uma oportunidade que não pode desperdiçar. O único e grande problema é que há muitos anos que ninguém ouve falar de árvores por elas já não existirem.

Mas Ted descobre que existe ainda uma última semente. Neste desafio que o protagonista procura realizar somos levados à história de Once-Ler, um rapaz cheio de ambição e que acabou por ser o responsável pelo desaparecimento das árvores. A ação de Lorax acaba por ir saltitando entre a história presente de Ted e as memórias de Once-Ler, agora já idoso.

Com um ritmo interessante provocado pela variação entre as duas histórias, o filme consegue prender. Queremos saber o que aconteceu às árvores, ficamos preocupados com a possibilidade de não ser possível a Ted recuperar a vida natural na sua cidade.

A película aposta também numa riqueza visual provocada pela variedade de cores e planos. As árvores tomam uma forma diferente daquela que estamos habituados, quase como bolas de algodão de todas as cores. Com o 3D quase que sentimos a necessidade de tocar-lhes para perceber como são fofas.

As personagens são bastante sui generis, todas elas com características capazes de puxar pela nossa gargalhada mais forte. O humor é visivelmente um dos pontos fortes deste filme que, não tendo uma história ou temática completamente nova, consegue inovar e agradar.

Outro dos elementos fortes é a banda sonora, que atribui dinamismo à ação, ao mesmo tempo que nos põe também a nós a cantar (ainda que mentalmente). Ao apresentar canções coletivas, acompanhadas de peculiares coreografias, Lorax traz sonoridades interessantes de acompanhar.

Este é um filme com uma mensagem muito precisa e que pretende transmitir aos mais novos os valores da ecologia, da defesa das árvores e dos animais. Para além do mais tem como objetivo mostrar que a ambição desmedida é um problema grande no mundo, capaz de pôr em causa a sua sustentabilidade.

A menos que alguém como tu se preocupe mesmo muito nada vai melhor, não vai mesmo”. Pode ser que os mais pequenos aceitem o repto e comecem a desenvolver os comportamentos amigos do ambiente de que tanto se fala nos dias de hoje.

7/10

Ficha Técnica:

Título original: Dr. Seuss’ – The Lorax

Realizador: Chris Renaud, Kyle Balda

Argumento: Ken Daurio, Cinco Paul a partir do livro de Dr. Seuss

Vozes (versão original): Danny DeVito, Ed Helms, Zac Efron, Taylor Swift

Vozes (versão portuguesa): David Carreira, Mia Rose, José Fidalgo, José Jorge Duarte, Pedro Bargado, Custódia Gallego, Simone de Oliveira

Género: Animação

Duração: 86 minutos