A terceira série de Príncipes do Nada chega à RTP1 no próximo dia 26 de março, mais uma vez conduzida por Catarina Furtado. Sete anos depois da estreia, a série traz de volta um relato pessoal de histórias humanas, olhando também para o nosso país.

Moçambique, Haiti, Sudão do Sul e Índia são os países visitados pela equipa da RTP nesta terceira série, incluindo não só Catarina Furtado, embaixadora da Boa Vontade na ONU, mas também o realizador e produtor Ricardo Freitas e o repórter de imagem Hugo Gonçalves. Ao longo de treze programas, o trabalho de voluntários, organizações não-governamentais, religiosas e da própria ONU nos países em desenvolvimento é retratado na primeira pessoa, mostrando a realidade destas sociedades.

A nova série foca-se também no papel destes organismos no combate às desigualdades sociais em Portugal, tal como tinha acontecido na primeira série. Os Médicos do Mundo e o seu apoio aos idosos no Porto, o Centro Português para os Refugiados e as mulheres detidas na prisão de Tires, bem como os seus filhos, na Casa da Criança, são alguns exemplos do que se pode esperar desta faceta de Príncipes do Nada. Também a Corporação de Bombeiros Mistos do Seixal dá o mote para uma homenagem a todos os bombeiros voluntários ou profissionais.

O programa é visto pela RTP como o seu “contributo” para o combate à pobreza, à SIDA, à malária; para o acesso à educação e à água potável, entre outros grandes problemas da humanidade. Dia 26 regressa à antena, às 21 horas.