O ator e o seu pai, Nick Clooney, foram detidos esta manhã (tarde em Portugal) junto à Embaixada do Sudão em Washington, num protesto contra o Presidente Omar al-Bashir.

De acordo com o Washington Post, George Clooney e o pai, bem como o líder dos direitos civis Ben Jealous e o senador democrata da Virgínia Jim Moran, foram algemados após três avisos verbais para não ultrapassarem a linha da polícia à porta da embaixada sudanesa. Posteriormente, terão sido colocados sob a alçada dos Serviços Secretos dos Estados Unidos.

O grupo levava um cartaz com as palavras: “Sudão: Fim das armas e da fome em massa“. Ao entrar na carrinha, Clooney referiu que o governo de Cartum deveria “parar de matar aleatoriamente os seus próprios homens, mulheres e crianças inocentes. Parar de os violar e de os matar à fome“.

Os protestantes acusam o Presidente do Sudão de provocar uma crise humanitária e bloquear a entrada de comida e ajuda nas montanhas Nuba, na fronteira com o Sudão do Sul. George Clooney tem sido um dos ativistas desta causa, defendendo que pretende levar a atenção das pessoas para a questão. Disse mesmo que, se não se agir nos próximos três ou quatro meses, “vamos ter um verdadeiro desastre humanitário“.

O ator foi já libertado, após algumas horas de detenção, sob o pagamento de uma fiança de 100 dólares. Clooney revelou que os homens foram todos colocados na mesma cela e declarou, depois de todos terem já sido libertados: “Foi a minha primeira detenção… e esperemos que seja a última“.

(actualizada às 22 horas)