A RTP fechou o ano de 2011 com um lucro de 18,9 milhões de euros, mais 25% em relação aos valores de 2010. O passivo foi ainda significativamente reduzido. A televisão pública consegue atingir o lucro pelo segundo ano consecutivo.

«Estamos numa zona de resultados líquidos positivos sustentáveis depois de 18 anos de prejuízos. Portanto, em 20 anos a RTP teve lucros duas vezes: nos últimos dois anos», afirmou o presidente da RTP, Guilherme Costa. Em 2010 o lucro tinha sido de 15,1 milhões de euros.

Em conferência de imprensa, a direção garantiu que a meta de redução de custos operacionais em 15% face a 2009, inscrita no Orçamento de Estado, foi cumprida. Foram reduzidos os gastos com pessoal, devido ao plano que levou à saída voluntária de mais de 150 funcionários em 2010, e também os custos da grelha televisiva.

Com o pagamento do empréstimo ao banco alemão DEPFA, o passivo bancário foi reduzido em mais de 75% e era, no final de 2011, de 171,9 milhões, tendência que se mantém em 2012. Ao capitais próprios acompanharam esta evolução e são de 124,6 milhões negativos.

A direcção da RTP sugeriu que os lucros referentes a 2011 sejam retidos na empresa, de forma a contribuírem para a diminuição do valor negativo dos capitais próprios, numa estratégia de «sustentabilidade». O objectivo é «situar [a RTP] a novos níveis mais competitivos de custos e novos níveis menos onerosos para o Estado», dando seguimento ao plano de sustentabilidade económica e financeira em curso desde 2003.