A noite que consagrou Filipa Sousa como vencedora do Festival da Canção foi longa. O ambiente quente do estúdio e a efusividade das claques marcaram o espetáculo ao vivo. A canção vencedora, Vida Minha, interpretada por Filipa Sousa, foi a décima segunda a atuar e fez jus ao seu lugar, tendo recebido por diversas vezes os 12 pontos dos júris distritais e, por fim, os decisivos 12 pontos do público, que lhe deram a vitória inequívoca.

No final, Filipa revelou-se surpresa e emocionada, tendo chorado mesmo antes de entrar em palco pela última vez. “Eu nunca esperei sequer ter uma oportunidade de pisar este palco, muito menos de ganhar com a pontuação máxima tanto do júri como do televoto.”

Portugal deve a sua intérprete representante na Eurosivão ao pai de Filipa Sousa. “No ultimo dia para a inscrição o meu pai disse-me «não te inscreves? Se nunca tentares, nuca saberás». Foi este o argumento que utilizei para concorrer à Operação Triunfo.

Embora já tenha participado numa das primeiras edições da Operação TriunfoFilipa Sousa não era conhecida do grande público como Carlos Costa ou Ricardo Soler e também por isso a vitória a surpreendeu. “Eu sabia que havia uma grande expectativa na música deles.”

A música foi feita para si, como as de todos os concorrentes. A desistência do compositor Jorge Fernando, que inicialmente lhe tinha sido atribuído, desencorajou-a. “Confesso que na altura fiquei um pouco desapontada porque é um grande nome. Depois foram-me atribuídos os compositores Carlos Coelho e Andrej Babic. Eu estava um pouco desanimada porque o tempo era menor que para os outros compositores, que já estavam a trabalhar nos temas há algum tempo.”

Com o pouco tempo que tinham, compositores e intérprete assumiram que esta não seria uma canção para ganhar, mas que dariam ainda assim o seu melhor e procuraram adaptar-se àquilo que deixaria Filipa mais à vontade e mais satisfeita, sendo que ela própria pediu “uma coisa para rebentar”.

A possibilidade de uma parte da música em inglês é todos os anos discutida. “Penso que só teríamos a ganhar se, pelo menos um dos refrães assim fosse”. Seja como for, o seu grande objectivo é “estar à altura de orgulhar o nosso país.”

O espetáculo

Depois de muito tempo longe dos estúdios de televisão, o Festival da Canção afastou-se, este ano, das salas de espetáculo para criar de raiz uma noite de entretenimento televisivo. As apresentações para além do concurso foram constantes e homenagearam a música, os compositores, a cidade de Lisboa e o Fado.

Foram quatros os acts de homenagem à música. Em primeiro lugar, a homenagem ao Maestro Pedro Osório, um dos grandes nomes da música e do Festival da Canção. O act que se seguiu glorificou a evolução da música, com passagens por Mozart e Beethoven e que deixou o público fascinado com a envolvência do act. Yolanda Soares protagonizou a terceira grande homenagem da noite: a evolução do suporte musical. “Uma prestação brilhante e extraordinariamente bem conseguida” foi uma das frases ouvidas no meio da plateia no final da actuação. Eis que chegou o momento de consagrar mais uma vez os grandes êxitos do Festival da Canção. Os Voice Mail, grupo constituído por vozes excepcionais, a cappella, apresentou um medley, que pela energia do público parecia ter sido “a escolha” do público. Quem estava presente no Festival ficou claramente emocionado no momento em que se cantou A Desfolhada foi Simone de Oliveira.

No pequeno estúdio da RTP, todos os concorrentes puderam sentir o calor do público, que não deixou de dar energia positiva aos intérpretes. No final e antes das actuações, o público presente não hesitava em gritar pelos seus preferidos e a claque mais efusiva teve, no final, a recompensa: Filipa teve 12 pontos do júri nacional e os 12 pontos do voto do público.

Sílvia Alberto e Pedro Granger, já há algum tempo separados nestes palcos, demonstraram ao longo de toda a noite o quanto estavam felizes por voltarem a trabalhar juntos. Uma alegria que se espelhou na prestação dos dois apresentadores: sempre bem-dispostos, com uma cumplicidade e harmonia evidente.

 

com Jacinta Oliveira