A Eurovisão é um fenómeno que escapa a muitos mas que tem grande influência na vida de outros. Por todo o mundo, o espetáculo europeu coleciona fãs, comunidades que se juntam para o viver. A seleção das músicas concorrentes é, por inerência, um caminho que, através da Internet, é seguido com atenção.

O Facebook, cada vez mais o agregador por excelência, coleciona páginas de fãs da Eurovisão. Uma breve pesquisa pode levar-nos a páginas tão simples como Festival RTP da Canção 2012, que junta notícias e opiniões sobre os candidatos da Eurovisão de toda a Europa, e a movimentos que visam levar e apoiar pessoas a este certame.

Os grupos, fechados ou não, que se formam no Facebook, são também inúmeros. Mais de 150 grupos respondem à pesquisa pela palavra Eurovision, cerca de 50 à palavra Eurovisão. Alguns deles expressam a vontade dos fãs em ver o seu país bem representado. No ano passado, entre grupos e páginas de fãs, incendiaram-se as discussões sobre os Homens da Luta. No Reino Unido, por exemplo, também houve quem estivesse contra o regresso dos Blue para a representar as terras de sua majestade. A expressão mais original disso será o grupo Get Iron Maiden for Eurovison not Blue, com 78 membros. A comunidade de fãs da Eurovisão não é grande e expressiva, mas as discussões e as paixões que gera são intensas.

A maior página dedicada ao tema, Eurovison song Contest, tem 432.266 gostos (em crescimento constante) e, aí, fãs procuram as novidades que vão sendo lançadas à medida que mais um país escolhe o seu representante.

A comunidade que acompanha o Festival da Eurovisão não se fica pela criação de perfis nas redes sociais. A página eurovisionfamily.tv constituiu a sua própria rede social com o nome MyEurovions e  junta mais de 56 500 pessoas de todo o mundo. Na Europa concentra-se a maior percentagem de fãs, mas é possível encontrar alguns entusiastas da Eurovisão no continente Americano, em especial, e um pouco por todo o mundo.

A inscrição nesta rede é gratuita e a comunidade que se intitula como oficial tem como objetivos reunir pessoas, criar novas amizades e até estabelecer contacto entre os fãs e os concorrentes. Além disto, a permanente divulgação de todos os passos da Europa a caminho do festival é comum a todas estas redes e ainda a sites criados com esse propósito específico.

O Esc Portugal intitula-se como o jornal eurovisivo português e acompanha de perto as seleções de todos os países concorrentes, faz crítica e mede o pulso à opinião dos espectadores por toda a Europa. Apesar de o grande esforço ser direcionado para o Festival Eurovisão da Canção, é possivel acompanhar ainda as raras novidades em relação a outras vertentes da Eurovisão como o Festival Eurovisão da Dança, ou o OGAE Song Contest.

A comunidade OGAE, Organisation Général Des Amateurs de l’Eurovision, não é recente: percebeu desde 1984 que a Eurovisão era capaz de recolher paixões. Criada na Finlândia, ramifica-se, neste momento, por todos os países que participam ou já participaram no concurso e ainda pelos outros, juntos no seio do OGAE Rest Of The World.

Em Portugal, a OGAE está presente desde 1997, tendo sido iniciativa de Nuno Galopim, incluindo sócios e regulamento próprio. Neste sítio na Internet juntam-se fãs que transitam do mundo virtual para o real, em jantares e atividades que já este ano juntaram os concorrentes ao Festival da Canção desta noite com os seguidores do concurso. A singularidade desta comunidade conquista um lugar também junto da organização do festival, sendo não raras as vezes em que se pode ler uma entrevista relacionada com o Festival da Canção que não está em mais lado nenhum.

Constante e transversal a todas as comunidades é o escrutínio dos fãs. Tudo é analisado por estes especialistas, alguns fanáticos, outros curiosos. Da coreografia às luzes, eles marcam a sua opinião do que pode ser uma atuação para a Eurovisão ou do que será apenas mais um lugar no esquecimento.

Amanhã, lá estarão as opiniões sobre o espetáculo desta noite.