6.980 euros é o salário máximo que deve ser atribuído aos trabalhadores da RTP, defende a Comissão de Trabalhadores (CT). A CT criticou os salários das ‘estrelas’ da emissora, defendendo a criação de um salário limite para as remunerações atribuídas.

Em comunicado à imprensa, a CT promoveu a existência de uma “imposição legal atualizável de um teto salarial máximo na RTP de 6.980 euros”. A comissão pediu um esclarecimento a Miguel Relvas, ministro dos Assuntos Parlamentares, onde figurava a questão dos salários milionários de algumas figuras do canal que eram superiores ao do Presidente da República.

A Comissão de Trabalhadores diz que quer ver acabado “o ajuste direto salarial que nos últimos anos tem florescido”, nomeadamente, nos salários das figuras do entretenimento e do jornalismo da estação. Para a CT, o canal deve prestar um serviço público e não vender mercadoria, acrescentando que “ninguém no mercado do entretenimento português ‘vale’ neste momento 27.000 euros mensais”. Os trabalhadores denunciaram ainda os “salários por negociação direta à porta fechada entre contratadores da empresa e contratandos, que nada têm a ver com a realidade custo/benefício do trabalho prestado, observável pelos restantes trabalhadores”.