pastora2

Domingo nas baladas

O caminho para a Eurovisão continua a ser trilhado. Um pouco por toda a Europa continuam a ser escolhidos representantes e músicas. O Espalha-Factos continua a dar mais atenção aos países que já seleccionaram as canções que iremos ouvir em Baku, esta semana foram reveladas oito novas canções e predominam as baladas. Para o Festival da Canção português faltam 6 dias e revelamos a ordem de atuação. 

A Bulgária escolheu esta quinta-feira. Desde que se iniciou no Festival, só esteve uma vez na final – com Water, um monumental susto interpretado por Elitsa e Stoyan em 2007. Este ano faz-se representar por Sofi Marinova, com Love Unlimited.  Mais uma música dance, mas bem menos agradável que a proposta do Chipre. A apresentação em palco, sem qualquer coreografia, o excêntrico gosto da intérprete búlgara na sua indumentária ou, desgraça total, a total gritaria de Sofi, não deixam adivinhar nada de bom. Lembram-se do Krassimir Avramov, em 2009? Pode ser tão épico quanto isso.

http://www.youtube.com/watch?v=dsXBA1JWBI4

Numa participação ao gosto de muitos eurofãs, a Eslovénia escolheu Eva Boto como a sua representante em Baku. Épica q.b., apostamos que irá recolher pontos um pouco por toda a Europa. Mas isso não faz da música melhor. É um gigante déja vu, e assemelha-se a dezenas de músicas que já passaram pelos palcos eurovisivos e até do Festival da Canção. Reaplicar mais uma vez a máxima ‘Na Eurovisão, nada se cria, tudo se copia‘.

http://www.youtube.com/watch?v=yOxgW9Q_DXA

Este ano, a Espanha optou por um modelo de seleção semelhante ao alemão – escolher um artista para interpretar as várias canções presentes na sua final nacional, e enquanto o artista foi escolhido pela TVE, a canção foi escolhida pelo público. Pastora Soler foi a selecionada e ontem à noite confirmou-se Quédate Conmigo como a preferida dos espanhóis para representar o país na final eurovisiva. Uma música que demora até ‘aquecer‘, mas que tem um final apoteótico. A minha preferida nas baladas deste ano.

http://www.youtube.com/watch?v=zT8eG4Hl990

A final da Estónia também foi ontem à noite, com o selecionado a ser Ott Lepland. O jovem intérprete venceu com Kuula,  uma balada bastante soft, a contrastar, por exemplo, com a escolha espanhola. Não é especialmente memorável, e estará muito dependente do sorteio da ordem de atuação.

http://www.youtube.com/watch?v=z3NIt5eVWUg

A Holanda está há já vários anos arredada dos bons resultados na Eurovisão. A última vez que alcançou a final foi em 2004, e não foi além do 20.º lugar. O último top 10 que alcançou foi em 1998. A tentativa deste ano, You and Me, de Joan Franka, soa-nos a country, mas pouco mais que isso, apesar de ter sido a preferida do televoto holandês. Claramente insuficiente para a final.

http://www.youtube.com/watch?v=FVHN9M9R7d0

A Itália já escolheu há várias semanas a sua representante – Nina Zilli. Não foi a vencedora do histórico Festival de San Remo, mas foi a preferida da RAI para representar o país em Baku. E se a princípio era falado que se apresentaria na capital azeri com uma música diferente daquela que deu a conhecer aos italianos, afinal parece que a única coisa que poderá acontecer é Per Sempre ser adaptada para uma versão bilingue ou totalmente em inglês.

http://www.youtube.com/watch?v=qgWLYzjeCuA

Colocados no ano passado em segundo lugar, os italianos regressaram à Eurovisão após 14 anos de ausência. Per Sempre é interessante, e Nina é encantadora, mas num ano de fortes canções e com concorrência directa da power-ballad espanhola, será mais complicado para a Itália voltar ao top5.

Da Itália passamos à Lituânia. Este ano o país far-se-à representar por Donny Montell, com Love is Blind. O tema, que inicialmente parece uma balada, acaba por se tornar numa canção mid-tempo, sem deixar grandes recordações pelo caminho. A juventude do intérprete pode ajudar na altura das votações, e o mau inglês nunca foi um fator que prejudicasse ninguém. Pelo menos na Eurovisão.

http://www.youtube.com/watch?v=wRTSkk410mI

Mais difíceis de controlar são as acusações de plágio de que a canção tem sido alvo. São indicadas parecenças com a música Song From a Secret Garden, de Rolf Lovland, criada em 1995. A acusação foi inclusivamente encaminhada ao jornal lituano 15 min.lt, que recebeu um vídeo no qual as duas criações são comparadas. A acusação requererá agora comprovação em tribunal.

http://www.youtube.com/watch?v=D6tICSji3yA

Na Macedónia, assiste-se ao regresso de Kaliopi. A intérprete foi eliminada da semifinal interna do ESC1996, mas regressa em 2012, com Crno i Belo, ou na versão inglesa – Black and White. É uma balada rock, a fazer lembrar alguma música italiana, como a de Gianna Nannini, e tem a missão de levar a Macedónia à final, algo que não acontece desde 2008. Tudo dependerá da forma como se apresentar em palco, sendo uma música cuja parte rockeira pode ganhar bastante se for devidamente ‘adereçada’. Isto e ter uma emissão televisiva que não pareça saída dos anos 90.

http://www.youtube.com/watch?v=KTHEz3-Ll70

Em Portugal, a escolha acontece daqui a menos de uma semana e já são conhecidos os nomes de todas as canções, bem como a sua ordem de atuação e restante dinâmica do programa. Os temas do evento são o fado e a música em geral, havendo espaço para acts diferenciados ao longo daquele que a RTP promete como sendo «um espetáculo nunca antes visto».

As canções a concurso apresentar-se-ão na seguinte ordem:

1. Ricardo SolerGratia Plena
2. Pedro MacedoOutono em forma de gente
3. Tó MartinsAmanhã começa o meu futuro
4. Gerson SantosRedescobrir Portugal
5. Joana LeiteO amor é maior que a vida
6. Pamela SalvadoFica a saudade
7. Cúmplice’sSerá o que será
8. Arménio PimentaUm poema na bagagem
9. Carlos CostaQueres que eu dance?
10. Vânia OsórioO mundo passa
11. Rui AndradeAmor a preto e branco
12. Filipa SousaVida minha

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Capa do álbum Folklore de Taylor Swift
Quem é William Bowery, o co-autor mistério em “folklore” de Taylor Swift?