O caminho para a Eurovisão continua a ser trilhado. Um pouco por toda a Europa continuam a ser escolhidos representantes e músicas. O Espalha-Factos continua a dar mais atenção aos países que já seleccionaram as canções que iremos ouvir em Baku, esta semana foram reveladas oito novas canções e predominam as baladas. Para o Festival da Canção português faltam 6 dias e revelamos a ordem de atuação. 

A Bulgária escolheu esta quinta-feira. Desde que se iniciou no Festival, só esteve uma vez na final – com Water, um monumental susto interpretado por Elitsa e Stoyan em 2007. Este ano faz-se representar por Sofi Marinova, com Love Unlimited.  Mais uma música dance, mas bem menos agradável que a proposta do Chipre. A apresentação em palco, sem qualquer coreografia, o excêntrico gosto da intérprete búlgara na sua indumentária ou, desgraça total, a total gritaria de Sofi, não deixam adivinhar nada de bom. Lembram-se do Krassimir Avramov, em 2009? Pode ser tão épico quanto isso.

http://www.youtube.com/watch?v=dsXBA1JWBI4

Numa participação ao gosto de muitos eurofãs, a Eslovénia escolheu Eva Boto como a sua representante em Baku. Épica q.b., apostamos que irá recolher pontos um pouco por toda a Europa. Mas isso não faz da música melhor. É um gigante déja vu, e assemelha-se a dezenas de músicas que já passaram pelos palcos eurovisivos e até do Festival da Canção. Reaplicar mais uma vez a máxima ‘Na Eurovisão, nada se cria, tudo se copia‘.

http://www.youtube.com/watch?v=yOxgW9Q_DXA

Este ano, a Espanha optou por um modelo de seleção semelhante ao alemão – escolher um artista para interpretar as várias canções presentes na sua final nacional, e enquanto o artista foi escolhido pela TVE, a canção foi escolhida pelo público. Pastora Soler foi a selecionada e ontem à noite confirmou-se Quédate Conmigo como a preferida dos espanhóis para representar o país na final eurovisiva. Uma música que demora até ‘aquecer‘, mas que tem um final apoteótico. A minha preferida nas baladas deste ano.

http://www.youtube.com/watch?v=zT8eG4Hl990

A final da Estónia também foi ontem à noite, com o selecionado a ser Ott Lepland. O jovem intérprete venceu com Kuula,  uma balada bastante soft, a contrastar, por exemplo, com a escolha espanhola. Não é especialmente memorável, e estará muito dependente do sorteio da ordem de atuação.

http://www.youtube.com/watch?v=z3NIt5eVWUg

A Holanda está há já vários anos arredada dos bons resultados na Eurovisão. A última vez que alcançou a final foi em 2004, e não foi além do 20.º lugar. O último top 10 que alcançou foi em 1998. A tentativa deste ano, You and Me, de Joan Franka, soa-nos a country, mas pouco mais que isso, apesar de ter sido a preferida do televoto holandês. Claramente insuficiente para a final.

http://www.youtube.com/watch?v=FVHN9M9R7d0

A Itália já escolheu há várias semanas a sua representante – Nina Zilli. Não foi a vencedora do histórico Festival de San Remo, mas foi a preferida da RAI para representar o país em Baku. E se a princípio era falado que se apresentaria na capital azeri com uma música diferente daquela que deu a conhecer aos italianos, afinal parece que a única coisa que poderá acontecer é Per Sempre ser adaptada para uma versão bilingue ou totalmente em inglês.

http://www.youtube.com/watch?v=qgWLYzjeCuA

Colocados no ano passado em segundo lugar, os italianos regressaram à Eurovisão após 14 anos de ausência. Per Sempre é interessante, e Nina é encantadora, mas num ano de fortes canções e com concorrência directa da power-ballad espanhola, será mais complicado para a Itália voltar ao top5.

Da Itália passamos à Lituânia. Este ano o país far-se-à representar por Donny Montell, com Love is Blind. O tema, que inicialmente parece uma balada, acaba por se tornar numa canção mid-tempo, sem deixar grandes recordações pelo caminho. A juventude do intérprete pode ajudar na altura das votações, e o mau inglês nunca foi um fator que prejudicasse ninguém. Pelo menos na Eurovisão.

http://www.youtube.com/watch?v=wRTSkk410mI

Mais difíceis de controlar são as acusações de plágio de que a canção tem sido alvo. São indicadas parecenças com a música Song From a Secret Garden, de Rolf Lovland, criada em 1995. A acusação foi inclusivamente encaminhada ao jornal lituano 15 min.lt, que recebeu um vídeo no qual as duas criações são comparadas. A acusação requererá agora comprovação em tribunal.

http://www.youtube.com/watch?v=D6tICSji3yA

Na Macedónia, assiste-se ao regresso de Kaliopi. A intérprete foi eliminada da semifinal interna do ESC1996, mas regressa em 2012, com Crno i Belo, ou na versão inglesa – Black and White. É uma balada rock, a fazer lembrar alguma música italiana, como a de Gianna Nannini, e tem a missão de levar a Macedónia à final, algo que não acontece desde 2008. Tudo dependerá da forma como se apresentar em palco, sendo uma música cuja parte rockeira pode ganhar bastante se for devidamente ‘adereçada’. Isto e ter uma emissão televisiva que não pareça saída dos anos 90.

http://www.youtube.com/watch?v=KTHEz3-Ll70

Em Portugal, a escolha acontece daqui a menos de uma semana e já são conhecidos os nomes de todas as canções, bem como a sua ordem de atuação e restante dinâmica do programa. Os temas do evento são o fado e a música em geral, havendo espaço para acts diferenciados ao longo daquele que a RTP promete como sendo «um espetáculo nunca antes visto».

As canções a concurso apresentar-se-ão na seguinte ordem:

1. Ricardo SolerGratia Plena
2. Pedro MacedoOutono em forma de gente
3. Tó MartinsAmanhã começa o meu futuro
4. Gerson SantosRedescobrir Portugal
5. Joana LeiteO amor é maior que a vida
6. Pamela SalvadoFica a saudade
7. Cúmplice’sSerá o que será
8. Arménio PimentaUm poema na bagagem
9. Carlos CostaQueres que eu dance?
10. Vânia OsórioO mundo passa
11. Rui AndradeAmor a preto e branco
12. Filipa SousaVida minha