Os portugueses Best Youth cantaram e encantaram em mais uma passagem por Guimarães. A Capital Europeia da Cultura permanece ao rubro, e o Espalha-Factos anda por lá. Diogo Ferreira conta tudo de mais um grande concerto. 

CC Vila Flor – Best Youth, Take 2.

Os Best Youth são um caso bem sério de afirmação neste ano, tudo menos banais.

Depois dos Genius Loki e de alguns anos a experimentar novas sonoridades, a dupla da Invicta reencontra-se para escrever canções com uma musicalidade que viaja entre o pop-rock e a electrónica, fazendo uma escala desembaraçada num indie magnético. Soberbo. Canta-se bem alto. A melodia, a harmonia e o ritmo são o que mais sobre-excita o ouvido sensível.

A história deste brilharete enceta numa altura em que Ed Rocha Gonçalves começa a trabalhar num disco a solo e convida Catarina para gravar alguns temas. O desfecho dessas sessões é a formação dos Best Youth e o lançamento de um EP de 5 temas – Winterlies – que foi apresentado num cada vez mais obrigatório palco do circuito nacional, o Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor.

Do lançamento dos dados à consumação do sucesso foi um passo de menino. Os Best Youth, juntamente com os X-Wife e Luísa Sobral estão entre os cinco artistas portugueses destacados na revista francesa Les Inrockuptibles. Merecem ser ouvidos. A revista gaulesa aponta-os como um remédio para ajudar a ultrapassar a “crise financeira de um país cheio de história”. Mas há dúvidas?

Se dúvidas houvesse, Catarina Salinas encarregou-se de as tirar na passada noite, em Guimarães. Esta parecia uma verdadeira e genuína miúda em cena. Transpirou irreverência e a sua presença em palco, o seu over power… não deixaram ninguém indiferente.

Enquanto timidamente o público se assumia enamorado com esta verdadeira brincalhona, ela agigantava-se e transudava confiança. Em Honey Trap admitiu sentir-se uma miúda de 16 anos. Ninguém questionou isso.

Os Best Youth apresentaram temas de Winterlies, agora acompanhados com baterista, e num novo formato que acrescenta qualidade à performance do grupo. Pôde ouvir-se Hang Outsingle de lançamento, Wait For Me, Shout, Honey Trap e, em jeito de presente, novos temas e uma cover dos Beastie Boys.

Foi mais uma grande noite. Casa cheia e bom ambiente. Chegaram, viram e venceram. Receberam o merecido aplauso e foram embora com o ego enaltecido. Sublime. Que se pode pedir mais de uma banda destas?