Faltam apenas três meses para o Festival Eurovisão da Canção. A União Europeia de Radiodifusão receberá 43 países em Baku, capital do Azerbaijão, naquele que é o maior evento da música europeia. Mais de metade dos países já selecionou representantes. Nesta crónica semanal, iremos descobrir o que é que podemos esperar para a grande noite do certame. 

Em Portugal só conheceremos os nossos representantes no dia 10 de março, com um Festival da Canção que contará com algumas alterações. Mas, vamos ao que interessa, conhecer os participantes já escolhidos.

E o mais fácil é mesmo seguir por ordem alfabética:

A Albânia escolheu Rona Nishliu, que com Suus, uma poderosa balada cantada em albanês, irá tentar chegar à final do concurso. A artista, natural do Kosovo, é bastante famosa naquela região e encontra-se neste momento nos Estados Unidos a trabalhar na produção da versão final da música.

http://www.youtube.com/watch?v=dVvDxR8k5LY

Vencedora em 2010, a Alemanha levou Lena à final do Festival Eurovisão por duas vezes. Este ano, continua a cantar em inglês, mas o intérprete muda. Roman Lob venceu o Unser Star für Baku e leva uma balada rock extremamente radio-friendly. A ver vamos se, terras caucasianas, será capaz de encantar.

http://www.youtube.com/watch?v=tzMye6AV8BQ

Da Áustria, as novidades são fresquinhas. Os Trackshittaz foram escolhidos na sexta-feira para serem os representantes do país. A dupla hip-hop foi escolhida entre dez concorrentes presentes na final nacional, num estilo de paródia já conhecido pelas paragens eurovisivas. Um dos rappers, Manuel Hoffelner, é lusodescendente.

Woki Mit Deim Popo fica no ouvido. Será que a Áustria volta a passar à final?

http://www.youtube.com/watch?v=ju06mQGfjpo

Na Bielorússia, o processo de seleção acabou envolto em polémica. Depois de ter sido escolhida Alyona Lanskaya, com o tema All my Life, a BTRC, estação televisiva do país, acabou por ser obrigada a retirar o tema da representação nacional, alegando a existência de votações fraudulentas. No meio de alguns pedidos de desculpas, e alguma contestação aos métodos mais ou menos claros utilizado na escolha, a representação vai mesmo para os Litesound, com We Are the Heroes.

http://www.youtube.com/watch?v=M7SdLhGlX1A

A Croácia já não chega à final do Festival desde 2009, ano em que foi a escolhida do júri na sua semifinal. Este ano a aposta é em Nina Badrić. Mais uma balada, fortemente baseada no power da sua vocalista e a fazer lembrar, em alguns momentos, a histórica Carola, da Suécia.

http://www.youtube.com/watch?v=-z0Q9DZo0q8

Ivi Adamou promete trazer a alegria das pistas de dança ao palco do Chipre. La La Love promete fazer furor nas discotecas gregas e cipriotas, mas será que chega para a final? Nos últimos cinco anos, o país só chegou uma vez ao palco principal da Eurovisão.

http://www.youtube.com/watch?v=Wur-66FdjU0&feature=related

A Dinamarca regressa depois de alcançar quatro presenças consecutivas na final e duas participações entre as cinco mais votadas. O país nórdico continua fiel a si próprio e às participações dos últimos anos. Um pop absolutamente redondinho, milimetricamente pensado para chegar aos tops de vendas. A música chama-se Should’ve Known Better e é da Soluna Samay, mas também podia ser da Demi Lovato, da Sara Bareilles ou da Taylor Swift.

http://www.youtube.com/watch?v=WSpfDj9uUJc

A Finlândia escolheu ontem. Helsínquia enviará à capital do Azerbaijão a jovem Pernilla Karlsson, com När Jag Blundar. Uma balada nórdica a fazer lembrar A Fine Frenzy e com uma interessante apresentação em palco.

http://www.youtube.com/watch?v=InblQtjqxvQ

Da França chega-nos Anggun, que se apresentará na final com Echo (You and I). Nos últimos dez anos, o país de Sarkozy só chegou por duas vezes ao top10, e apesar de ser um dos Big5, os resultados têm sido mais pequenos que grandes. A canção francesa deste ano respira espírito eurovisivo e a beleza da intérprete pode ajudar a subir na tabela classificativa.

http://www.youtube.com/watch?v=6IlhCM964xY&feature=related

A Geórgia participa pela quinta vez no Festival Eurovisão da Canção e nunca ficou abaixo do 12.º lugar. Nos últimos dois anos, alcançou o nono. Volta a participar com uma canção em inglês: I’m a Joker, mas com o seu primeiro concorrente masculino. Se esperam uma repetição das habituais baladas poderosas, podem esquecer. Não sabemos bem como é que se classifica este tipo de música, mas parece-nos que este pode ser o ano em que a Geórgia se estreia no grupo dos países que ficam pela semi-final.

http://www.youtube.com/watch?v=Uj7jy0vKduU&feature=related

Da Hungria, Sound of Our Hearts. Os Compact Disco produzem um hino de paz e de harmonia, de entendimento entre os povos e apelo à diversidade cultural. A música é mais uma no lote de potenciais hits radiofónicos na edição deste ano, longe dos habituais espalhafatos eurovisivos. Impecavelmente preparada para ficar na cabeça de quem a ouve, a canção húngara pode conseguir repetir a presença na final.

http://www.youtube.com/watch?v=aTWaeyae9Hg&feature=related

A Irlanda optou esta sexta-feira por repetir a presença dos Jedward numa semi-final da Eurovisão. A dupla, que se deu a conhecer no britânico X Factor, ficou em oitavo lugar na edição do ano passado, o melhor resultado do país nos últimos doze anos. Em equipa que ganha não se mexe, e a afinação continua a não ser um critério essencial  na escolha de um representante eurovisivo.

http://www.youtube.com/watch?v=Ni133caQ9Dw&feature=player_embedded

A Islândia saiu bem da crise, mas 2011 e 2010 não foram anos especialmente felizes, pelo menos eurovisivamente falando. Após um 19.º e um 20.º lugar, os representantes da ilha voltam a cantar em islandês. Num dueto especialmente popular e instrumentalmente bastante rico, Greta Salomé e Jónsi foram favoritos desde o início. Repetir-se-à o favoritismo agora que é mais a sério?

http://www.youtube.com/watch?v=mepztXfP9_c

Os representantes de Israel este ano, a banda Izabo, misturam os instrumentos tradicionais do Médio Oriente com um pop/rock engraçado. Uma escolha arrojada e surpreendente, com um tom pouco habitual nas representações israelitas. A versão abaixo disponibilizada é uma demo. A versão final da música concorrente ao Festival Eurovisão da Canção só será disponibilizada a 1 de março.

http://www.youtube.com/watch?v=-UTN6OYduvs

Da Letónia, uma canção bonita, assim o indica o título. Beautiful Song foi o tema com que Anmary carimbou o passaporte para Baku. Longe da final desde 2008, aposta agora numa música que cruza a história da intérprete com a do Festival da Eurovisão e da música mundial desde 1980. Simpático, mas duvidamos que seja desta.

http://www.youtube.com/watch?v=XVprnOY-Urg&feature=player_embedded

Longe das finais desde 2009, Malta aposta no pop dançável de Kurt Calleja para tentar um bom resultado. Está fora do top 10 desde 2005, ano em que a portentosa Chiara alcançou o segundo lugar com Angels. Será esta a noite?

http://www.youtube.com/watch?v=Ih4tBeW-rBI

A Noruega continua a visitar ritmos que lhe são pouco característicos. Depois da falhada visita às tribos africanas na edição do ano passado, agora são ritmos árabes a dar cor a Stay, tema dance que Tooji levará à semifinal do certame. Qualquer semelhança da postura em palco com a de Eric Saade (Suécia, 2011) é mera coincidência.

http://www.youtube.com/watch?v=KyO95_f1ALg&feature=player_embedded

A Suíça é uma das pioneiras no Festival Eurovisão da Canção e este ano a primeira vencedora do certame, Lys Assia, participou novamente na seleção nacional para o concurso. Perdeu, e a história não acabou nada bem, com um dos elementos do júri a criticar a performance da artista de 87 anos. Lys não aceitou bem, exigiu um pedido de desculpas e acabou por ir parar ao hospital, tal foi o desgaste emocional. Na votação do público, a diva ficou em oitavo lugar, entre 14 participantes. Continuará a ser a primeira, pelo menos no coração de todos os fãs eurovisivos.

Os Sinplus foram os escolhidos para representar os alpinos. Uma performance rockeira num ESC que terá várias bandas a concurso e que será rico em temas pop-rock. Conseguirão sobressair?

http://www.youtube.com/watch?v=j1MMaK4AvIg

Dona de oito lugares no top10 nos últimos dez anos, a Turquia ficou pela primeira vez de fora da final na edição do ano passado do Festival Eurovisão da Canção. O tema deste ano joga com as cores habituais do país, um tema bastante agitado e pleno de influências tradicionais.

Can Bonomo apresenta Love me Back. Temos sérias dúvidas de que chegue para regressar à final. A força da diáspora turca na Alemanha volta a não poder auxiliar na espinhosa missão de ganhar a segunda semi-final 2. No entanto, alguns países mais próximos e com tradição de voto nas participações turcas, como a Arménia, a Bósnia-Herzegovina e a Bulgária, poderão inverter o cenário difícil.

http://www.youtube.com/watch?v=sjzHVgJd7t0

Desde que iniciou as suas participações, em 2003, a Ucrânia já ganhou uma vez o Festival Eurovisão da Canção e só não conseguiu o top10 em duas ocasiões. Um autêntico peso pesado na competição, os ucranianos este ano apostam num tema dance, que até já é falado como hino do Euro2012. Se misturássemos David Guetta com Ruslana seria capaz de sair algo muito semelhante.

http://www.youtube.com/watch?v=Z3wRr4K0x9E#!

Esta semana terminamos por aqui, voltamos em breve com mais novidades sobre todas as seleções nacionais para o Festival Eurovisão da Canção.