Os portugueses já pagam, através dos impostos, parte dos conteúdos emitidos pelos canais públicos. É este o principal argumento que a comissão de trabalhadores da RTP apresenta num comunicado em que propõe que todos os canais públicos, como a RTP Memória ou a RTP Informação, deixem de ser pagos.

Os funcionários da RTP apontam que, neste momento, os portugueses pagam a triplicar os canais públicos por cabo: através da assinatura do serviço, dos impostos e de uma taxa de audiovisual.

O comunicado surgiu no seguimento da inclusão da ARTV na Televisão Digital Terrestre. O ministro Miguel Relvas afastou a possibilidade de mais canais virem a integrar o sinal aberto, embora a ANACOM não coloque objeções. Para além dos tradicionais 4 canais, há a possibilidade de mais «7 a 9» serem disponibilizados em TDT, disse o administrador da ANACOM à Lusa.

O futuro da televisão pública é indefinido. Ainda não são conhecidos detalhes sobre a anunciada privatização da RTP, pelo que pode estar em risco a continuação dos canais públicos que hoje conhecemos. O grupo de trabalho que aconselhou o governo sobre o serviço público recomendou o fim da RTP Memória e RTP Informação.