«Uma das coisas de se ser Presidente é que, por vezes, há noites em que apetece sair só para dar um passeio, espairecer ou saltar para o carro, só para dar uma volta… Mas eu não posso, os Serviços Secretos não deixam e isso é frustrante. Mas depois, há outras noites em que B.B. King e Mick Jagger vêm até minha casa para dar um concerto. Acho que uma coisa compensa a outra!», confessa em tom de brincadeira o presidente dos EUA.

A Casa Branca abriu a porta ao blues na passada terça-feira. Tocaram à campainha de Barack Obama figuras lendárias como B.B. King, Mick Jagger, Buddy Guy e Jeff Beck. Uma noite de celebração da música, que culminou numa improvável performance… do Sr. Presidente.

«Esta música fala de algo universal. Ninguém passa pela vida sem alegria e dor, triunfo e infortúnio… O blues tem um pouco de tudo isso, por vezes apenas na sua letra ou numa única nota» (Barack Obama). Assim foi a Sala Este da residência presidencial invadida pela música. Tocaram-se emoções, como se a vida de uma escala musical se tratasse, num ambiente intimista e amigável. Let the Good Times Roll e The Thrill is Gone abriram a noite, na voz de King, e precederam toda uma lista de sucessos. Beck interpreta o instrumental Brush With the Blues, ao qual sucede o Rolling Stone Jagger, com I Can’t Turn You Loose. Commit A Crime e Miss You fizeram ainda as delícias dos presentes.

«Como estamos a celebrar o mês da História Negra, o blues relembra-nos que já vivemos momentos difíceis. É por isso que tenho orgulho em receber estes artistas, não só como fã, mas também como Presidente», conclui o democrata, apresentando o conjunto de músicos como  Blues All-Stars da Casa Branca, antes do tema de encerramento do evento, Sweet Home Chicago, o hino blues da cidade do casal Obama. «Para mim e Michelle, não há blues como a música que os nossos artistas escolheram para fechar o concerto», diz o líder político.

Entretanto, Buddy Guy provoca o presidente norte-americano, fazendo referência ao episódio do mês passado, no qual o democrata canta parte de Let’s Stay Together, sucesso de Al Green, no Teatro Apollo do Harlem, em Nova York. «Agora, vai ter de continuar!», desafia. A princípio, «Não esta noite!» foi a resposta de Barack Obama ao convite do músico de 75 anos, contudo, quando Mick Jagger lhe estende o microfone, o presidente junta-se ao grupo e entoa sorridente “Come on, baby don’t you want to go”, com direito a bis e a um “Sweet Home Chicago” no fim.

Num mês em que se evoca a memória da história dos negros norte-americanos, esta noite especial de blues foi apenas mais uma entre as várias iniciativas oficiais dedicadas a diferentes géneros musicais. Em eventos anteriores, Stevie Wonder, Paul McCartneyBob Dylan foram alguns dos nomes que atuaram na Casa Branca.

Estas prestações musicais do primeiro líder negro dos EUA têm suscitado alvoroço no povo americano, algo que se reflete em milhões de visitas aos vídeos em que Barack Obama faz um verdadeiro brilharete, expondo-se como um cidadão bastante acessível e divertido.

Aqui ficam ambas as performances do entusiasta de “Yes, we can!”:

httpv://www.youtube.com/watch?v=T-hDt2E8MoE

httpv://www.youtube.com/watch?v=H-V6XS6pGZs