Georges Duroy, um soldado falido e praticamente analfabeto, chega à Paris do final do século XIX. Este é o protagonista de Bel Ami, o filme que estreia hoje nos cinemas nacionais. Curiosamente, o filme que teve estreia mundial na Berlinale a 17 de fevereiro, só chegará aos ecrãs norte-americanos a 2 de março.

Na cidade em que os sonhos de uma vida melhor se aproximam da realidade, a fortuna e o prestígio social tornam-se características alcançáveis até para o jovem com as raízes mais humildes. Os fins justificam os meios na busca de uma vontade de chegar mais alto na pirâmide social.

É na noite parisiense que Duroy (Robert Pattinson) se cruza com Charles Forestier (Philip Glenister), um antigo companheiro do exército e agora editor de política num prestigiado jornal da cidade. Forestier, encontrando o jovem e percebendo as suas carências, acaba por ajudá-lo e incluí-lo no seu círculo de conhecidos.

Mas é de Madeleine Forestier (Uma Thurman) que acaba por receber o mais precioso conselho, que acabará por moldar todo o comportamento do protagonista ao longo do filme: “As pessoas mais importantes de Paris não são os homens, mas sim as suas esposas”. Duroy apercebe-se de que para conseguir atingir a fama, o sucesso e a riqueza ambicionada terá de adotar estratégias bem definidas.

Ao socorrer-se do seu charme, acaba por ir conseguindo a confiança das damas de Paris, que de uma forma ou outra vão orientando o destino do protagonista ao encontro do seu sonho.

A história de Bel Ami é mais do que uma narrativa sobre alpinismo social: ela é o retrato de uma sociedade marcada por aparências, por governos corruptos, por traições e interesses.

Duroy é a encarnação de um homem ambicioso desenquadrado do mundo em que pretende inserir-se e que vai procurando colmatar os choques culturais. O protagonista é ainda a prova de que, mesmo quando se parece ter atingido a meta, existem sempre poderes estabelecidos que não suportam a entrada de um estranho num domínio que a eles pertence. Quando encontra obstáculos, Georges não só os afasta como arranja forma de mostrar que a força é algo que o acompanha, demarcando ainda mais a sua posição.

O caráter de Duroy deixa desconfortáveis os espectadores. Uma mentalidade fria, alheia a sentimentos e emoções, que acaba por manipular para chegar aonde a ambição o destina. Os fins estão traçados, é preciso garantir que os meios se cumpram. A interpretação de Robert Pattinson vem mais provar (mais uma vez) que se sabe distanciar do vampiro de Twilight e conseguir um trabalho de personagem sólido, credível e cativante.

Se à primeira vista o argumento pode parecer uma repetição constante da ação, com as conquistas e falhas do protagonista e as múltiplas cenas de sexo, nas entrelinhas e nas situações acaba por mostrar-se bastante interessante. De cada vez que Bel Ami é deitado abaixo, torna-se curioso para o espectador tentar perceber que plano engendrará para conseguir voltar ao topo. Por vezes somos confrontados com planos completamente inesperados, o que contribui para que nos vamos mantendo agarrados ao filme.

A juntar a isto temos enquadramentos bastante bem conseguidos, tanto ao nível dos grandes planos como dos aproximados. O detalhe na composição da cena merece destaque, ao conseguir transformar algumas delas em autênticas fotografias do final do século XIX parisiense, através do excelente trabalho de cenografia e guarda-roupa que aposta numa variedade e riqueza de texturas e cores.

Um dos grandes destaques do filme vai para a banda sonora assinada por Lakshman Joseph de Saram e Rachel Portman, que nos conduz para o ambiente da época ao mesmo tempo que atribuem dinamismo e acentuam momentos de grande intensidade da ação.

Não sendo o exemplo máximo da originalidade e da perfeição, a película acaba por conseguir cativar e agradar pelos seus pontos fortes. Ainda assim, Bel Ami corre um risco grande que é o de trazer um protagonista com um carácter pouco apreciado interpretado por um nome que poucos conseguem dissociar do fenómeno Twilight.

Categorizar Bel Ami como um filme que ‘ou se adora ou se odeia’ pode parecer exagerado nesta fase. O grande desafio torna-se ir assistir a película sem qualquer tipo de preconceito e deixar-se envolver por uma história que tem tudo para conseguir agarrar.

7.5/10

Título original: Bel Ami

Realizado por:  Declan Donnellan e Nick Ormerod

Escrito por: Rachel Bennette a partir do romance homónimo de Guy de Maupassant

Elenco: Robert Pattinson, Christina Ricci, Uma Thurman, Kristin Scott Thomas, Philip Glenister

Género: Drama