A arte e a cultura expandem-se para além dos palcos. A cultura é um povo em movimento, elementos que nos despertam sensações todos os dias, aspectos que por vezes nos passam distraídos mas que nos moldam enquanto pessoas. Um país celebra, projecta, constrói, dá nova cor ao futuro. Aplaudir é o mínimo que podemos fazer perante a qualidade.

ARQUITETURA E ARTES PLÁSTICAS

Souto de Moura foi o nome distinguido na área da arquitetura. O trabalho do vencedor do Pritzker 2011 foi aclamado através de uma enérgica performance hip-hop conjugada com projeções de vários edifícios desenhados pelo arquiteto português. Um momento original, com uma boa mistura entre os ritmos do hip-hop e do fado, bem como da dança com a componente visual.

A arte urbana mereceu também destaque, através do projeto GAU – Galeria de Arte Urbana, que tem divulgado obras de arte em locais o mais inesperados possíveis. Nesta área destacou-se Alexandre Farto, mais conhecido por Vhils, que tem deixado a sua marca um pouco por todo o mundo.

Também por todo o mundo, Paula Rego e Joana Vasconcelos têm visto o seu trabalho reconhecido. De duas gerações diferentes de artistas plásticas, as distinguidas são a prova de que a inovação e o sentido estético são transversais ao discurso do gosto.

FESTAS POPULARES

Porque a cultura é algo que se faz também para lá dos palcos e é partilhada por um povo, as festas populares não poderiam deixar de estar presentes no evento. Passando pela Festa dos Tabuleiros em Tomar, pelas Festas das Flores em Campo Maior, pelas Festas do Santo Cristo nos Açores até às Marchas de Lisboa, Portugal teve também motivo para aplaudir as celebrações que ajudam a definir o país.

MAGIA

Luís de Matos conseguiu provar que a magia é também ela uma forma de arte. Nas duas actuações que protagonizou, trouxe truques variados que deixaram o público boquiaberto. Tanto nos truques das areias coloridas como no das cartas, Luís de Matos surpreendeu e agarrou a atenção do público.