Depois de ter declarado falência, a 19 de janeiro, a pioneira da fotografia de massas pediu que o seu nome fosse retirado do teatro [Kodak Theatre] que acolhe os Óscares há dez anos.

A empresa norte-americana assinou contrato, em 2001, com a TrizecHanhn Hollywood. O compromisso era válido por 20 anos e nas cláusulas estava garantido o espaço cedido à Kodak, os pagamentos de uma certa quantia para ter o seu nome associado ao teatro, bem como aos 3332 lugares sentados do espaço. Tudo isto por cerca de 57 milhões de euros. O motivo da rescisão relaciona-se com a crise financeira que a empresa atravessa e que impede o cumprimento do patrocínio.

A 15 de fevereiro, 11 dias dos Óscares, o caso vai ser ouvido pelos juízes, sendo, então, impossível assinar um novo acordo publicitário com outra marca a tempo da cerimónia dos prémios de cinema mais importantes de Hollywood. A Academia pondera mudar a cerimónia de lugar, estando o Nokia Theatre no topo das possibilidades para a próxima casa dos prémios, segundo avança o The Hollywood Reporter.