christopher

A Recordar: Christopher Plummer

Desde 22 de janeiro, todos os domingos até meados de março, o Espalha-Factos vai recordar um ator ou uma atriz, que tenha marcado a sua época, mas que caiu em esquecimento ou não foi suficientemente reconhecido. Percorreremos atores de diversas décadas, até à atualidade. Falaremos da sua vida, carreira, papéis mais icónicos e do legado que deixaram.

Com mais de 50 anos de carreira e aos 82 de idade, o ator que ganhou fama como Capitão Von Trapp, no filme Música no Coração, continua imparável. Hoje, recordamos Christopher Plummer, o galã a quem nunca foi dado o devido valor… parece que este será o seu ano, finalmente!

Arthur Christopher Orme Plummer nasceu em Toronto, no Canadá, a 13 de Dezembro de 1929. Percorreu o cinema, o teatro e a televisão, marcando (e continuando a marcar) todas as áreas da representação.

No que respeita à vida pessoal, o ator teve três casamentos, o primeiro, em 1956, foi com Tammy Grimes, com quem teve uma filha, a atriz Amanda Plummer (Pulp Fiction). Em 1962, casou com a jornalista Patricia Lewis, de quem se divorciou cinco anos depois. Elaine Regina Taylor é a sua terceira mulher, com quem está casado desde 1970, já lá vão mais de 40 anos. Christopher Plummer publicou as suas memórias no livro In Spite of Myself: A Memoir, em Novembro de 2008.

httpv://youtu.be/K4560fpkuN4

A fama de Captain Von Trapp

O ator começou por trabalhar na televisão, em séries e telefilmes, até que, em 1958, se dá a sua estreia no cinema com Lágrimas da Ribalta (Stage Struck). Dirigido pelo célebre realizador Sidney Lumet, Plummer teve aqui a oportunidade de trabalhar com dois dos melhores, contracenando também com Henry Fonda. Seguiu-se o seu primeiro papel principal, no mesmo ano, em A Floresta Interdita (Wind Across the Everglades), de Nicholas Ray.

Todavia, foi Música no Coração, em 1965, que o catapultou para a fama. No filme de  Robert Wise, vencedor de cinco Óscares, entre os quais o de Melhor Realizador e de Melhor Filme, Christopher Plummer vestiu a pele do Capitão Von Trapp, ao lado de Julie Andrews. Ironicamente, o ator canadiano não gostou de interpretar o papel que o tornou famoso, classificando-o de “sisudo e uni-dimensional” (“humorless and one-dimensional”).

Ainda na década de 60 e  70, seguiram-se muitos outros filmes, entre os quais se podem destacar Battle of Britain (1969), Waterloo (1970), The Return of the Pink Panther (1975), The Man Who Would Be King (1975) e Murder by Decree (1979), onde foi Sherlock Holmes. Com uns anos 80 menos ativos no cinema, Plummer regressa em grande nas décadas seguintes.

.

Onde andam os prémios?

Em 1992, Malcom X marca o regresso de Plummer aos bons filmes, seguindo-se 12 Macacos, em 1995, onde foi pai de Brad Pitt. Pouco depois, em 1999, o ator canadiano mostra que ainda tem muito para dar em O Informador, de Michael Mann, ao lado de Al Pacino e Russell Crowe. Plummer tem aqui uma das suas prestações mais memoráveis e pela qual recebeu várias distinções, interpretando o jornalista de televisão Mike Wallace.

O novo milénio trouxe consigo um Christopher Plummer incansável. Em Uma Mente Brilhante (2001), vestiu a pele de Dr. Rosen, foi David em Ararat (2002), entrou em Alexandre, O Grande (2004) como Aristóteles. E outros filmes se seguiram, como Syriana (2005), O Novo Mundo (2005), Infiltrado (2006) ou A Casa da Lagoa (2006). Mais recentemente, no oscarizado Up – Altamente (2009), Plummer deu voz ao vilão Charles Muntz, e, no mesmo ano, foi Parnassus – O Homem que Queria Enganar o Diabo, ao lado de Heath Ledger, Johnny Depp, Jude Law e Colin Farrell.

Parece quase inacreditável que, com uma filmografia de mais de 100 filmes, Plummer tenha recebido a primeira (de duas) nomeação para os Óscares apenas em 2010, com 80 anos. É pelo papel do escritor e herói russo Leo Tolstoy, em A Última Estação (2009), onde contracena com Helen Mirren (que faz de sua mulher), que a Academia o distingue, pela primeira vez em toda a sua carreira, com a nomeação para Melhor Ator Secundário. No entanto, o prémio foi esse ano entregue a Christoph Waltz, pelo seu trabalho em Sacanas sem Lei.

Assim é o Amor parece ser o filme que lhe trará o mais que merecido reconhecimento. Aqui, Christopher Plummer interpreta Hal Fields, um homem que, seis meses após a morte da sua mulher, revela a sua homossexualidade e, pouco tempo depois, descobre que sofre de uma doença terminal. Ao lado de Ewan McGregor, Plummer tem um desempenho incrível e, desta vez, a Academia reparou.

O filme de Mike Mills já lhe deu este ano o Globo de Ouro de Melhor Ator Secundário, e Plummer conta com nomeações para a mesma categoria para os Óscares e BAFTA. Sem Brooks (Drive) na concorrência, tudo aponta para que seja este o ano do seu mais que merecido reconhecimento chegar.

httpv://youtu.be/4pYu83JHg0E

Dividido desde o início da sua carreira entre o cinema, a televisão e o teatro, aos 82 anos Christopher Plummer continua (felizmente) a um ritmo aceleradíssimo. Em 2011, por cá, pudemos vê-lo em Assim é o Amor e Padre e, atualmente, está nos cinemas Millennium 1: Os Homens que Odeiam as Mulheres, onde interpreta o empresário Henrik Vanger.

Inês Moreira Santos

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
caught in the net, klusak, chalupova, documentário, checo
‘Caught in the Net’: Este documentário está a gerar investigações criminais