Guimarães, 28 janeiro de 2012. «Oh da casa! Posso entrar?» – Foi a pergunta corrente na tarde deste sábado em Guimarães. A iniciativa chamou-se Mi Casa es Tu Casa. A Capital Europeia da Cultura (CEC) voltou a acolher um conceito inédito – Levar os músicos a casa das pessoas. Um pouco à semelhança do Guimarães Noc-Noc, só em que em vez de música, dessa vez os vimaranenses hospedaram as artes visuais nos seus lares.

Entre o meio-dia e a meia-noite deste sábado diferente, os vimaranenses abriram as portas das suas casas para receberem quase uma centena de concertos.

A maratona de música ao domicílio, idealizada por Fernando Alvim, exibiu 45 formações e 90 momentos musicais, transportando a música de bandas nacionais e de elementos da Fundação Orquestra Estúdio a 32 casas da cidade de Guimarães.

[slideshow numberposts=”15″]

De meia em meia hora, uma família vimaranense, sem saber que músico que lhe bateria à porta, abriu as portas para hospedar temporariamente artistas como Mafalda Veiga, Best Youth, Anaquim, Luísa Sobral, Paulo Praça, Samuel Úria, Virgem Suta, Capitão Fausto, We Trust, entre muitos outros.

Eram 21 horas quando o senhor José Eduardo, que recebeu em sua casa os Best Youth, gritava vaidosamente que o duo do Porto estava em sua casa e que os decibéis do tema Hang Out não vinham da rádio, mas sim da própria Catarina Salinas. Estavam ali, em carne e osso.

Foram muitos os temas, muitas as bandas, pessoas, famílias, turistas que girogiraram pela cidade berço. A ânsia de apanhar qualquer momento, qualquer músico que num ápice poderia estar a atuar na casa do vizinho era desmesurada.

O sol-e-dó na CEC está a começar. Arranhe, faça parte dela.