Juntos desde 2007, Robbie Furze e Milo Cordell formam os The Big Pink, um duo de Electro-Rock vindo de Londres. Depois de terem conquistado meio mundo com Dominos, o estrondoso hit retirado do seu disco de estreia, A Brief History of Love (2009), os The Big Pink decidiram começar 2012 com o lançamento do seu segundo LP, Future This, que está disponível nas lojas desde o dia 16 deste mês, e que será o tema da nossa review de hoje. 

Misturando o Electro-Rock digno de uns M83 com o Noise Rock a fazer lembrar os Black Rebel Motorcycle Club, o disco de estreia dos The Big Pink, A Brief History of Love, impressionou-me por essa abordagem distinta e interessante que a dupla londrina decidiu explorar, e provou que Dominos era apenas um (simpático) cartão de visita para um álbum que, não sendo brilhante, tinha muitas coisas boas para mostrar. Assim, a minha maior esperança para este Future This era que os The Big Pink decidissem manter a experimentação no seu Rock tão peculiar, algo que infelizmente não veio a acontecer. Apesar de este não ser um mau LP, confesso que Future This me deixou um bocado desapontado.

Cortando com (quase) tudo o que fizeram em A Brief History of Love, especialmente com a faceta mais Noise Rock do seu som, os The Big Pink decidiram apostar forte na Indietronica que tanto sucesso fez em Dominos, adicionando-lhe ainda um gostinho Neo-Psychedelia que me fez pensar nos Klaxons ou nos primeiros discos dos Kasabian. Isso traduz-se num disco com uma componente Electronica muito vincada, marcada por ritmos mais dançáveis e viciantes, e mostrando um afastamento dos sons mais analógicos e electro-acústicos que marcaram algumas das faixas do seu primeiro LP.

Ao nível das vozes, Furze e Cordell mantêm o seu registo muito enérgico e penetrante, o que é certamente um ponto muito positivo. Na produção, levada a cabo por Paul Epworth, nota-se, novamente, um afastamento daquilo que o grupo fez em A Brief History of Love, mostrando uma abordagem muito mais limpa e clara neste Future This, o que corrobora o corte com o Noise e com o analógico de que anteriormente falei. Em poucas palavras, Future This é um álbum de Electro-Rock mexido, capaz de agradar a muita gente que se viu “apanhada” por Dominos.

Contudo, este segundo LP do duo londrino também tem algumas características que deixam muito a desejar, a começar pelas letras, que estão bem mais simplistas do que no disco anterior. Esse simplismo lírico prende-se com o facto de, neste Future This, os The Big Pink recorrerem muitas vezes a versos que são autênticos lugares-comuns da música Pop, muitas vezes “roubados” a bandas como os The Stone Roses, o que mostra, a meu ver, um certo desleixo no departamento da escrita.

Outro problema está relacionado com a grande disparidade de qualidade entre canções, algo que traz alguma instabilidade e inconsistência ao disco. É certo que estão aqui presentes faixas de grande qualidade, que conseguem atingir o seu propósito de animar e agitar, mas também é verdade que Future This também sofre do facto de conter algumas peças, a meu ver, aborrecidas, que cortam o ritmo. Isso, aliado ao meu desapontamento pessoal devido à mudança de direcção artística por parte dos The Big Pink, faz com que este segundo álbum dos britânicos seja, para mim, um pouco mediano.

Das 10 canções que compõem este Future This, destaco positivamente a entusiasmante Lose Your Mind, a portentosa Jump Music ou a minha favorita, a fervilhante Stay Gold, primeiro single retirado do disco e que traz um som contagiante e fresco. Pelo lado negativo, escolho Give It Up, Rubbernecking ou Future This, faixas que a meu ver impedem que o disco se eleve a outro patamar, e que espelham bem os defeitos acima referidos.

Para concluir, Future This mostra que os The Big Pink aprenderam com o sucesso de Dominos, e decidiram apostar na popularidade desse Indietronica para este segundo LP. Infelizmente, essa viragem mais Pop tem os seus custos, e apesar dos pontos fortes que este álbum demonstra, a verdade é que não fiquei totalmente cativado ou convencido com este registo, que me fez querer regressar a A Brief History of Love e à coragem das suas experimentações. Contudo, é certo que quem busca um álbum Electro-Rock simples, rápido e dançável vai ficar certamente satisfeito com Future This.

Nota Final: 5,8/10

*Por opção do autor, este artigo foi escrito segundo as normas do Acordo Ortográfico de 1945