A partir de hoje, todos os domingos até meados de março, o Espalha-Factos vai recordar um ator ou uma atriz, que tenha marcado a sua época, mas que caiu em esquecimento ou não foi suficientemente reconhecido. Percorreremos atores de diversas décadas, até à atualidade. Falaremos da sua vida, carreira, papéis mais icónicos e do legado que deixaram.

Ficou eternizado pela extraordinária interpretação de Joker, em O Cavaleiro das Trevas (2008), mas, infelizmente, a sua carreira foi demasiado curta para que pudesse desfrutar do sucesso e reconhecimento que merecia. Hoje, dia em que se contam quatro anos após a sua morte, recordamos Heath Ledger, um dos mais promissores atores do novo milénio, falecido no ano de estreia do filme onde interpretou o papel da sua vida.

Um Australiano em Hollywood

A 4 de abril de 1979 nascia em Perth, na Austrália, Heathcliff Andrew Ledger. O ator começou na televisão australiana, tendo ido viver para os Estados Unidos, no fim da década de 90. Foi 10 Coisas que Odeio em Ti, de 1999, que o catapultou para a fama, tornando-se num dos “meninos bonitos” do cinema norte-americano, tendo, ao longo da sua carreira, entrado em filmes como O Patriota (2000), Coração de Cavaleiro (2001), Monster’s Ball – Depois do Ódio (2001), Quatro Penas Brancas (2002), Ned Kelly (2003), O Segredo de Brokeback Mountain (2005), Casanova (2005), Os Irmãos Grimm (2005), O Cavaleiro das Trevas (2008) ou Parnassus – O Homem que Queria Enganar o Diabo (2009), entre outros.

Foi em 2004, nas filmagens de O Segredo de Brokeback Mountain, de Ang Lee, que Heath Ledger conheceu Michelle Williams, com quem se viria a casar. O casal teve uma filha, Matilda, nascida em outubro de 2005. O casamento acabaria em setembro de 2007.

Foi a 22 de janeiro de 2008 (exatamente há quatro anos), que Heath Ledger foi encontrado morto no seu apartamento, em Nova Iorque. A causa da morte foi divulgada duas semanas depois do sucedido, concluindo-se que tinha ocorrido uma overdose acidental de comprimidos prescritos. O ator tinha 28 anos, acabara de filmar poucos meses antes O Cavaleiro das Trevas, encontrando-se a gravar Parnassus – O Homem que Queria Enganar o Diabo.

Principais Interpretações e  o Início do Reconhecimento

Foi filho de Mel Gibson e irmão de Matt Damon, foi galã, cowboy e um dos maiores vilões do cinema dos últimos anos. Na sua curta carreira, Ledger conta com os mais variados papéis.

O inesquecível Patrick Verona, de 10 Coisas que Odeio em Ti, ficará para sempre na memória dos fãs como o filme que lhe deu destaque e lhe abriu portas para os papéis seguintes. Ao lado de Julia Stiles e de Joseph Gordon-Levitt, o ator australiano protagonizou cenas marcantes, como quando cantou Can’t Take My Eyes Off You.

httpv://www.youtube.com/watch?v=S7N6kB11GpE&feature=related

O Patriota trouxe-lhe a oportunidade de trabalhar ao lado de Gibson, que fez de seu pai, e começava a adivinhar-se estarmos perante um grande ator. Em Coração de Cavaleiro, foi William Thatcher, um cavaleiro do século XIV, que se revela um guerreiro, quer nos torneios, quer na luta pelo coração de uma mulher. Viaja até ao Sudão, como Harry Faversham, um oficial inglês, em Quatro Penas Brancas. Foi o protagonista de Ned Kelly e, dois anos depois, foi um dos irmãos Grimm, ao lado de Matt Damon. Em Casanova, Heath Ledger encarnou um dos maiores sedutores de todos os tempos, fazendo par com Sienna Miller, contudo, o filme não alcançou o sucesso que se esperava.

Ennis Del Mar, a par de Joker, foi a outra personagem da sua vida, e o verdadeiro reconhecimento começava a chegar. No filme de Ang Lee, O Segredo de Brokeback Mountain, o ator australiano interpretou um cowboy homossexual ao lado de Jake Gyllenhaal, Michelle Williams e Anne Hathaway. Protagonizou cenas intensas, exigentes e inesquecíveis com Gyllenhaal, e o seu desempenho foi muito elogiado pela crítica, tendo recebido uma nomeação para Melhor Ator Principal nos Óscares.

httpv://youtu.be/44ZZN9BqlEE

Em 2007, foi um dos escolhidos para interpretar Bob Dylan no filme I’m not There – Não Estou Aí. Mas foi em 2008, no ano da sua morte, que Ledger provou ao mundo o seu verdadeiro valor. Em O Cavaleiro das Trevas, de Christopher Nolan, interpretou Joker, o mais sádico aqui-inimigo de Batman, e construiu uma personagem bem diferente da de Jack Nicholson, em 1989, mas com uma interpretação ao mesmo nível. Heath Ledger ofereceu-nos uma personagem diabólica e psicótica, certamente muito desgastante, na qual o ator não descurou os tiques ou as suas gargalhadas caraterísticas. É arrepiante e, ao mesmo tempo, extraordinário assistir à entrega do ator a esta personagem que tornou singular.

httpv://youtu.be/0uSOiu_WUDw

Com a sua morte, em janeiro de 2008, Ledger não teve sequer a oportunidade de ver o maior sucesso da sua carreira estrear nas salas de cinema. O Óscar (e o Globo de Ouro) póstumo chegou na cerimónia de 2009, onde se viveram momentos muito comoventes desde a apresentação dos nomeados à entrega do prémio de Melhor Ator Secundário à família.

httpv://www.youtube.com/watch?v=Jrt2xoy5UHo

Aquando da sua morte, o ator australiano encontrava-se a gravar Parnassus – O Homem que Queria Enganar o Diabo, de Terry Gilliam, ao lado de Christopher Plummer, gravações que não chegou a concluir. A opção foi então convidar outros três atores – Johnny Depp, Jude Law e Colin Farrell – para interpretarem a mesma personagem que Ledger, Tony, de modo a concluir o filme reaproveitando o que já estava feito. Foi este o último trabalho onde pudemos ver Heath Ledger, uma estrela que brilhou muito menos tempo do que deveria.

Esquecido não foi e dificilmente o será, o reconhecimento esse é que poderia ter acontecido mais cedo. Desta vez, infelizmente, chegou tarde demais.

 

Inês Moreira Santos