the_doors

The Doors: último concerto foi há 42 anos

Há exactamente 42 anos, a 17 de Janeiro de 1970, Jim Morrison e seus pares subiam ao palco do Felt Forum (actual WaMu Theatre), em Nova Iorque, para deliciar os presentes com o último concerto dos The Doors.

Ainda antes do lançamento de Morrison Hotel, álbum sucessor de The Soft Parade (editado em Julho de 1969), os Doors escolhem o espaço do Felt Forum para dar a conhecer as faixas do seu novo trabalho. E fazem-no de uma maneira, no mínimo, caricata. Tentando recalcar o insucesso de The Soft Parade, duramente criticado pela imprensa musical, decidem dar dois concertos no mesmo dia (um early gig e um late gig). Com uma sonoridade próxima daquilo a que vinham habituando os seus fãs, e enveredando pela recriação dos traços característicos do blues, os espectáculos foram um indubitável êxito. Os insaciáveis seguidores nova-iorquinos pediam mais, o que obrigou a banda californiana a repetir a dose, logo no dia 18. Quatro concertos em dois dias, portanto.

A inesgotável energia de Jim Morrison e o deleite proporcionado pela concordância rítmica dos instrumentos do grupo tornaram as actuações verdadeiramente aprazíveis. Morrison apresentava-se irreverente e irrequieto, como sempre fora seu hábito, incapaz de permanecer estático por mais de uma canção. No tradicional jogo de microfone, característico das exibições do vocalista, o fundador da banda levava a plateia ao êxtase, bradando simultaneamente músicas como Roadhouse Blues ou Waiting for the Sun. Cabelo esgrouviado, barba em desalinho e movimentos corporais frenéticos, desgarrados, dissolutos: tudo marcas irrepreensíveis do frontman dos The Doors, dificilmente olvidáveis por quem presenciou qualquer um destes quatro concertos.

A sinergia do grupo, evidenciada pela perfeita harmonia entre a voz de Morrison, os teclados de Manzarek , a guitarra de Krieger e a bateria de Densmore, fizeram daquele par de dias um marco na história do rock do século XX. E representaram um marco na história da própria banda que, um ano e meio depois, sofreria um enorme abalo com a inesperada morte de Jim.  Os concertos originaram o afamado Live In New York, obra que reproduz as quatro actuações pela sua ordem original, acumulando em seis CDs um número de interpretações que se aproxima das nove dezenas.

httpv://www.youtube.com/watch?v=b-wgIht3roA

Mas a história dos quatro magníficos remonta a meados da década de 1960. Jim Morrison, um aspirante a poeta, e Ray Manzarek, um teclista de blues que tinha estudado piano clássico em miúdo, comprometem-se a formar uma banda. Os dois estudantes da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, unidos pela paixão comum pelo blues-rock, recrutariam logo de seguida Robby Krieger e John Desmore, que se ocupariam, respectivamente, da guitarra e bateria. O seu som, inspirado por aquele estilo musical e influenciado pelo ambiente vivido na Califórnia dos anos 60, haveria rapidamente de atrair a atenção de proprietários de bares locais, como o London Fog ou o Whiskey a Go-Go, local onde, pela primeira vez, a banda toca a apocalíptica e assombrosa The End.

Logo em 1966, o conjunto grava The Doors, álbum homónimo que garantiria o início da sua caminhada rumo a um patamar superior do rock. Strange Days, de 1967, e Waiting for the Sun, de 1968, seriam então os propulsores da carreira dos californianos, responsáveis pela sua projecção além fronteiras e pela ascensão do seu nome a um nível único na cena rock do século XX. Com uma inestimável quantidade de admiradores espalhados por todo o mundo, a banda marcou e continua a marcar gerações, rendidas ao apelo selvagem lançado por Jim Morrison em canções como Break on Through, Light My Fire, Love me Two Times ou L.A. Woman.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
taylor swift fearless
Taylor Swift lança nova versão do álbum ‘Fearless’