A Música Portuguesa A Gostar Dela Própria. O projeto criado pelo realizador Tiago Pereira completa hoje um ano. Do rock à mais recôndita música tradicional, a videoteca da MPAGDP constituiu-se como uma referência incontornável de todos os géneros da música nacional. A celebração do 1.º aniversário é no Musicbox, a 20 de janeiro.

O objectivo era gravar 5 projetos musicais por semana e disponibilizá-los para acesso livre na internet. Doze meses depois, são mais de 365 gravações. Desde PAUS e Noiserv ao Grupo de Folclore Terra de Arões: celebrou-se e deu-se a conhecer, como nunca, a variedade do produto nacional. As gravações são acústicas e decorrem em espaços inusitados como varandas, terraços, quintais ou montras de mercearias.

O projecto começou com uma página no Facebook, um blog e os vídeos alojados no Vimeo. Recentemente foi criado o site oficial, em http://amusicaportuguesaagostardelapropria.org, onde estão organizadas todas as recolhas musicais. É uma verdadeira La Blogothèque portuguesa.

Para além de “aumentar o ego” à música portuguesa, um dos objectivos era recuperar cantares tradicionais, partilhando-os com boa qualidade de gravação, no sentido de valorizar e trazer para o centro das atenções as nossas origens – “criar uma memória colectiva da música portuguesa”, nas palavras de Tiago Pereira.

O orgulho pela ruralidade deu ao mentor deste projeto a fama de “afinar velhinhas de Benfica”, nome do primeiro evento da MPAGDP fora do ritual de gravação de vídeos. Em julho, numa parceria com a Junta de Freguesia de Benfica (Lisboa), o Teatro Carlos Paredes recebeu concertos de artistas participantes no projeto e uma série de debates e documentários, entre os quais E se a música portuguesa gostasse dela própria?

No seguinte excerto do documentário é feita uma homenagem ao falecido João Aguardela (Naifa, Sitiados, Linha da FrenteMegafone). Após a sua morte foi lançado o Prémio Megafone, que visa distinguir “músicos cujo trabalho enalteça as tradições musicais portuguesas e lhes dê renovado futuro“, ou seja, a quem siga o legado de Aguardela. Tiago Pereira venceu o prémio em 2010, com toda a justiça.

httpv://www.youtube.com/watch?v=ruOD25c3VBY&feature=relmfu

Numa parceria com o Movimento Alternativo Rock, a música portuguesa tem sido celebrada, todas as sextas-feiras, na estação de metro Baixa-Chiado. E tem também lugar reservado no programa de Guimarães Capital Europeia da Cultura, com a estreia do filme Vamos tocar todos juntos para ouvirmos melhor, sobre as tradições musicais da cidade. Dança o rancho ao som da guitarra elétrica de Manuel Fúria (ex-Os Golpes), numa comunhão inter-geracional:

 httpv://www.youtube.com/watch?v=CWxgeh59gVI&feature=youtu.be

Toda a equipa é composta por voluntários, sem qualquer tipo de remuneração. Apesar de todo o reconhecimento, da geral aclamação e de algumas parcerias com editoras, produtores e sites de música, os patrocínios e apoios monetários não têm chegado. Os custos são assegurados na íntegra pelos 18 membros da equipa, que trabalham “por amor à camisola”. Chegar a todos os pontos do país, até às aldeias mais interiores (e esquecidas por quase todos), não é tarefa fácil – exige dinheiro e tempo. O segredo é encarar o projeto como um hobbie. O salário é substituído pela satisfação de 3500 visualizações diárias no canal, adiantou-nos Tiago Pereira.

O aniversário da Música Portuguesa a Gostar Dela Própriaserá comemorado no dia 20 de janeiro (sexta-feira), no Musicbox, com a atuação do grupo Velha Gaiteira, Elisa Rodrigues acompanhada ao piano por Júlio Resende, e Manuel Fúria com Os Náufragos. A entrada tem o custo de €6.

Devemos à Música Portuguesa a Gostar Dela Própria o verdadeiro serviço público de preservação de uma cada vez maior parte do nosso património histórico musical. Ficam os votos de que surjam investidores que não deixem que o sucesso desta ideia continue a depender exclusivamente da boa vontade de dúzia e meia de pessoas, e que este aniversário seja o primeiro de muitos.

MPAGDP é uma marca e um selo de qualidade. Parabéns.