featured image

Henson e o sapo dos milhões – 1/2

Após um interregno de mais de uma década, os Marretas estão de volta às longas-metragens com… Os Marretas. O Espalha Factos pediu uma máquina do tempo emprestada ao Dr. Bunsen e a Beaker e recuou até aos anos 50, onde tudo teve início, graças a Jim Henson.

Tudo começou com um sapo

Estávamos em 1955, James Maury “Jim” Henson havia nascido há 19 anos e estudava na Universidade de Maryland, Washington DC. O jovem dirigiu, desde então, durante 6 anos, o programa televisivo local Sam and Friends, dedicado aos mais pequenos, onde surgiu pela primeira vez Kermit the Frog – ou Sapo Cocas, como por cá o conhecemos – ainda numa fase muito embrionária. O sapo, que antes fora imaginado como lagarto, ganhou corpo por meio de um velho casaco e de duas bolas de pingue-pongue no lugar de olhos. As criações de Henson viriam a ganhar o nome de Muppets, uma combinação de marionette e puppet, respetivamente marioneta e fantoche no nosso português.

O programa tornou-se célebre e, após o seu fim, em 1961, Jim Henson criou a Muppets, Inc., que passou por várias denominações, sendo hoje conhecida por The Jim Henson Company, a sua própria empresa destinada à criação de Marretas, termo adotado em Portugal. A fama de Henson e das suas criações cresceram de forma extraordinária, conseguindo até aparições em programas televisivos de grande notoriedade, como é exemplo The Ed Sullivan Show, onde compareceram mais de duas dezenas de vezes.

Estrela em ascensão

O ano de 1969 viria a ser o impulso definitivo para a carreira de sucesso de Jim Henson, ao receber, por parte da Children’s Television Workshop – hoje Sesame Workshop –, um convite de colaboração com o programa educativo Sesame Street, transmitido na televisão pública. Este foi um fenómeno tal que ganhou mais tarde adaptação própria em vários países, incluindo Portugal, onde ficou conhecido por Rua Sésamo e foi produzido, a partir de 1989, pela RTP. No elenco original, Henson «dava a mão» a várias personagens, incluindo a Cocas, que vestia a pele de repórter televisivo. Por cá, para além de Egas, Becas e companhia, pudemos contar com a participação de nomes como Fernando Gomes, Vítor Norte e Alexandra Lencastre.

Durante o período de exibição de Sesame Street, Henson dirigiu Tales from Muppetland, uma série de pequenos especiais criados em formato televisivo, apresentados por Cocas, onde os seus Marretas protagonizavam adaptações cómicas de célebres contos de fadas, entre os quais Hey, Cinderella!

As criaturas de Jim Henson eram mais populares do que nunca, mas o marionetista, o seu associado Frank Oz, e a respetiva equipa receavam ficar eternamente conotados ao público infantojuvenil, tendo em conta o teor das produções até então realizadas. É partir deste momento, em 1975, que os Marretas teriam várias participações na primeira temporada da estreada série de comédia Saturday Night Live (SNL), que se prolongaram durante quase um ano, mas seria o próximo passo a catapulta que garantiria definitivamente o lugar das marionetas no mundo do entretenimento.

Sucesso a nível mundial

A colaboração com o SNL estava quase a chegar ao fim quando Henson quis pôr em prática um novo projeto que colocaria os Marretas num programa televisivo semanal, mas nenhuma cadeia televisiva norte-americana demonstrou interesse em fazê-lo, alegando que estes não teriam igual sucesso junto do público adulto. Foi então que o empresário britânico Lew Grade garantiu o financiamento necessário, em parceria com a ATV/ITC Entertainment. Filmado no Reino Unido e transmitido a nível mundial, nascia The Muppet Show, apresentado pelo Sapo Cocas, que se fazia acompanhar por Miss Piggy, Fozzie e Gonzo, entre a inúmera panóplia de personagens existentes.

httpv://www.youtube.com/watch?v=EyMCG0dWeQA

Em cada episódio figurava um convidado de renome e por ali passaram figuras como John Cleese, Steve Martin, Sylvester Stallone, Elton John e Paul Simon, durante 120 episódios e 5 anos de emissão. Uma vez mais, Henson deu corpo e voz a Cocas e várias outras personagens, entre os quais o Cozinheiro Sueco e Rowlf, o cão pianista.

Mais Artigos
Guia TV: As melhores opções para ver no fim-de-semana prolongado