Tudo o que acontece dentro do bordel Apollonide, fica enclausurado nas suas paredes. As fantasias sexuais mais mórbidas, os desejos indecentes e as falsas esperanças que povoam as mentes das meninas, rendidas à luxúria por uma vida melhor.

Apollonide, Memórias de um Bordel narra em pormenor os encontros secretos da elite aristocrática parisiense com as prostitutas de um bordel de luxo. O que aparentemente seria um local de prazer, revela-se um antro de exploração e comércio, cujos esbeltos corpos femininos são analisados e vendidos friamente como mercadorias. Os compradores, por sua vez, chegam sedentos de satisfazer os seus caprichos sexuais a qualquer preço. Uma vez que compram uma mulher, eles tornam-se o seu proprietário por algumas horas.

Através da entrada de Pauline, a jovem de 15 anos, no bordel, o espetador acompanha todos os hábitos e rituais das profissionais do sexo num bordel do início do século XX. Durante o dia ouvem-se as lamentações, angústias e histórias dos clientes que passaram pelos seus lençóis. À noite, começa a representação característica do seu trabalho, escondem os sentimentos e dão vida às mais variadas personagens que os seus compradores anseiam usufruir.

O aspeto mais interessante do filme é o retrato social do bordel, tendo em conta o ponto de vista das prostitutas, sem eufemismos nem fingimentos. Levadas pelo sonho de poderem ser independentes, as suas esperanças são aniquiladas por completo quando entram no negócio do sexo. A liberdade que tanto almejam está longe de ser concretizada.  O bordel torna-se um lugar de clausura. Aprisionadas pelas suas dívidas, acabam por viver exclusivamente para servir os seus clientes. A chave para a liberdade revela-se uma armadilha difícil de escapar.

O único ponto negativo a apontar em Apollonide é a lentidão desnecessária de certas cenas. Algumas ideias são facilmente captadas pela audiência e não precisam de ser repetidamente ilustradas pelas mesmas imagens.

Em suma, o realizador Bertrand Bonello, pouco conhecido no panorama cinematográfico, consegue, de uma forma exímia, seguir de perto os anseios de seis mulheres: Léa, Clotilde, Madeleine, Samira, Pauline e Julie. Cada uma profissional na arte do fingimento e na ocultação dos seus próprios temores. Este filme chocante apresenta a vida penosa das prostitutas e a hipocrisia dos aristocratas, que usam os seus serviços sem consideração pela alma que esses corpos nus albergam. Qual o preço que estão dispostas a pagar pela desejada liberdade? Será que actualmente tudo mudou no negócio do sexo?

Apollonide, Memórias de um Bordel fez parte do programa do Lisbon & Estoril Film Festival e estreia nos cinemas portugueses amanhã, dia 12 de janeiro.

8/10

Ficha Técnica

Titulo original: L’Apollonide, Souvenirs de la Maison Close

Realizador: Bertrand Bonello

Argumento: Bertrand Bonello

Elenco: Hafsia Herzi, Céline Salette, Jasmine Trinca, Adele Haenel, Alice Barnole e Iliana Zabeth

Género: Drama

Duração: 122 minutos