O Teatro Aberto, em Lisboa, receberá a partir do próximo dia 17 e até dia 26 de Fevereiro a peça Vermelho, de John Logan, com encenação de João Lourenço. António Fonseca e João Vicente são os protagonistas.


Vermelho passa-se em Nova Iorque, nos EUA, nos anos de 1958 e 1959, e tem como protagonista o pintor Mark Rothko. Ele contrata Ken, um jovem assistente, para o ajudar na execução de um trabalho que lhe foi encomendado. Trata-se de uma série de murais para o luxuoso restaurante Four Seasons, integrado no edifício Seagram, um projecto inovador dos arquitectos Philip Johnson e Mies van der Rohe.

Enquanto preparam tintas e telas, Rothko expõe as suas ideias sobre a arte, lembrando os pintores que o antecederam, como Caravaggio ou Miguel Ângelo, e os seus contemporâneos, como Jackson Pollock ou Andy Warhol. Para si, a arte deve propiciar o encontro do homem consigo próprio e com o mistério da existência e não ser um mero objecto de divertimento e decoração. E é nesta conversa entre mestre e discípulo que se desenvolve um intenso processo de reflexão que os transforma a ambos e os leva a procurar novos caminhos.

Vermelho foi escrito pelo norte-americano John Logan, em 2009, e distinguido por com vários prémios. Trata-se de um apaixonante diálogo sobre a arte e a vida.

A antestreia da peça, que terá lugar no próximo dia 16, será dedicada a pintores, curadores, galeristas e a todos os profissionais do mundo das artes plásticas, tendo sido convidados grandes nomes nacionais como Júlio Pomar, João Cutileiro e Paula Rêgo, entre outros.

A estreia acontece no dia 17 de Dezembro, pelas 21h30 na sala Vermelha do Teatro Aberto. Até 26 de Fevereiro, a peça poderá ser vista de quarta-feira a sábado às 21h30 e domingo às 16h.
Não haverá sessão nos dias 24, 25 e 31 de Dezembro e dia 1 de Janeiro.

Inês Moreira Santos