Tardou, mas Não Tenhas Medo do Escuro chegou finalmente a Portugal no passado mês de Outubro. Trata-se da primeira longa-metragem do realizador Troy Nixey, produzida por Guillermo Del Toro (O Labirinto do Fauno, 2006). A história não nos conta nada de novo. Mais uma casa assombrada, mais uma família que para lá se muda, mais uma criança como protagonista. Contudo, esse é o ponto positivo: é a criança que torna o filme um pouco melhor.

Um filme de terror que não faz assim tanto jus ao género, já que pouco assusta e está repleto de clichés, mas que conta com uma pequena estrela – Bailee Madison – a dar brilho a este filme que pouco tem de especial. Nota-se ainda o “dedo” de Guillermo Del Toro, que foi também um dos argumentistas de Não Tenhas Medo do Escuro.

Alex e Kim são um jovem casal que se muda para uma mansão que pretende restaurar, em Rhode Island. Sally, filha de Alex, uma criança solitária e introvertida, irá viver com eles. É ao explorar a casa que a pequena descobre um porão oculto, abandonado desde o desaparecimento do construtor da mansão, há um século atrás. Sem saber quais as consequências do seu acto, a criança liberta antigas e obscuras criaturas que a querem atrair às profundezas infinitas da escuridão. Sally tem agora de convencer o pai e a namorada deste de que não se trata de uma fantasia sua e de que criaturas do mal assombram a casa.

Não Tenhas Medo do Escuro é um remake do telefilme de 1973 com o mesmo nome, que surge agora com algumas diferenças de argumento. Ao jovem casal junta-se, no filme de Nixey, uma nova protagonista, a pequena Sally, que mantém o nome da personagem principal do filme original.

Guillermo Del Toro (aqui, produtor e argumentista) coloca mais uma vez uma criança à frente de uma história onde a fantasia se alia ao terror. No filme de 1973, onde apenas existia um casal protagonista, Sally era a mulher, que via os seres que habitavam a mansão, mas em quem ninguém acreditava. Esse papel foi transposto para a criança interpretada  por Bailee Madison, e é ela que assume o função de heroína desta história. Neste filme, as criaturas malignas anseiam por dentes e ossos de crianças, é isso que as faz reaparecer após tantos anos, quando finalmente voltam a existir crianças naquela casa.

A cena inicial de Não Tenhas Medo do Escuro, que mostra o que aconteceu cem anos antes, é de grande violência e faz adivinhar muito mais do que aquilo que o filme oferece. O suspense que é deixado no ar desfaz-se demasiado cedo: o aspecto das criaturas que assombram aquela casa é dado a conhecer antes do tempo (mesmo no trailer, aliás), e esse mesmo aspecto é muito pouco assustador. A história dos pequenos monstros faz-nos, a certa altura, estabelecer um paralelismo um tanto ao quando engraçado: eles são uma espécie de fadas dos dentes malignas, dado o seu desejo por dentes de crianças.

Com um elenco com dois nomes sonantes, Katie Holmes e Guy Pierce, que podem chamar mais algum público a este filme, quem realmente se destaca é a pequena Bailee Madison. Holmes e Pierce têm prestações um tanto ou quanto fracas, ao contrário da protagonista, que se porta como uma grande actriz. Bailee tem um desempenho incrível, na pele da menina solitária, introvertida e curiosa que passa a viver atormentada pelas criaturas malignas. É impossível ficar indiferente ao sofrimento e angustia da sua personagem, e, ao mesmo tempo, à coragem que esta jovem actriz consegue colocar em tudo o que faz. A cena da casa de banho ou a da biblioteca, por exemplo, são das que mais impressionam, pela prestação tão convincente de Bailee. Todos os bons momentos de suspense, os mais perturbadores, têm em cena a pequena actriz.

Outro ponto positivo de Não Tenhas Medo do Escuro é a direcção de fotografia de Oliver Stapleton, que soube aproveitar da melhor forma a grandiosidade da mansão, ao mesmo tempo que fez um excelente trabalho no que toca à iluminação.

Apesar de uma ou outra cenas um pouco mais pesadas, Não Tenhas Medo do Escuro perde-se no meio de tanto cliché. No entanto, este filme vale pela protagonista que lhe dá a magia que lhe falta em tantos outros aspectos.

5.5/10

Ficha Técnica

Título Original: Don’t Be Afraid of the Dark

Realizador: Troy Nixey

Argumento: Guillermo del Toro e Matthew Robbins, a partir do argumento do telefilme de 1973 escrito por Nigel McKeand

Elenco: Bailee Madison, Katie Holmes, Guy Pierce

Género: Fantasia, Horror, Thriller

Duração: 99 minutos

Crítica escrita por: Inês Moreira Santos