No último dia da Festa das Latas e Imposição das Insígnias, 2 de Novembro, José Cid sobe ao palco para terminar a semana com chave de ouro.

Zé Perdigão, fadista, deu o que de melhor sabe fazer: cantar. Encantou todos os presentes que apesar do techno ali presente  noutra tenda, levou o público, ainda tímido a ouvir o que de mais tradicional tem Portugal.
Já conhecidos pela sua parceria na música, José Cid subiu também ao palco mas os holofotes não eram dele. Perdigão fez-se acompanhar de acordeão de Cid. Um momento certamente para recordar.

Até a música conhecida de todos, Parabéns, teve seu tempo de antena. A Associação Académica de Coimbra fazia 124 anos. Presentes também estiveram o presidente da Direcção Geral, Eduardo Melo, e o reitor da Universidade de Coimbra, João Gabriel Silva, enquanto Zé Perdigão cantava os parabéns. «Não há universidade como a nossa, não há associação como a nossa», disse o reitor.

Coube, mais tarde, ao lendário José Cid fechar a Latada no Parque da Canção. Ao piano ou de pé, tivemos Cid empenhado a dar o melhor último dia para os estudantes de Coimbra.
Os estudantes queriam mais um dia de festa porém, apesar de não ser possível, Cid deu voz a esse desejo. Mais Um Dia, abriu o concerto com Cid sentado ao piano com um castiçal de vidro em cima. O ambiente animou. Apesar da primeira balada, o cantor fez questão de deixar a sua marca.

A Minha Música e O Macaco Gosta de Banana fizeram a festa, com todos os presentes a cantar em coro. Ao longo de duas horas ouviram-se muitos outros clássicos: A Pouco e Pouco, 20 anos,  Ontem, Hoje e Amanhã, entre outros.

E, apesar do final do concerto, a animação continuou noite fora como quem não quisesse que a semana mais importante do caloiro terminasse.  Foi certamente uma Latada que excedeu as expectativas da organização, não só pela qualidade dos artistas presentes, mas também pela afluência de espectadores a este espaço.

Texto: Vanessa Sofia
Fotografia: cnoticias.net 

Veja como correu o resto da semana da Festa das Latas de Coimbra: