imagem-imagem-02e-na-terra-nao-na-lua-ok

“É na Terra, Não é na Lua” vence DocLisboa

Foi na noite passada que teve lugar a sessão oficial de encerramento da nona edição do festival DocLisboa, que termina hoje. É na Terra, Não é na Lua, de Gonçalo Tocha, foi o grande vencedor da noite, arrecadando o prémio máximo deste evento, o Grande Prémio Cidade de Lisboa para melhor longa ou média-metragem, atribuído pelo júri presidido pelo historiador Peter von Bagh. Para além do anúncio dos vencedores deste ano, o filme Photographic Memory, de Ross McElwee, encerrou o evento.

É na Terra, Não é na Lua é o documentário sobre a ilha do Corvo, a mais pequena do arquipélago dos Açores, com apenas 440 habitantes. Esta segunda longa-metragem de Gonçalo Tocha, que esgotou as duas salas por onde passou neste DocLisboa, combina registos antropológicos, literatura, arquivos e histórias mitológicas e autobiográficas. Depois da menção especial que recebeu em Agosto no Festival de Locarno, este Prémio Cidade de Lisboa só vem reforçar a qualidade do trabalho de Tocha neste documentário.

Dentro da competição nacional, os premiados foram Yama no Anata, de Aya Koretzky, que recebeu o título de melhor longa ou média-metragem (que também recebeu o prémio Escolas), e a muito polémica Praxis, de Bruno Cabral, foi distinguida como a melhor curta portuguesa. O estreante Pedro Filipe Marques recebeu o prémio para melhor primeira obra portuguesa com o filme A Nossa Forma de Vida.

Voltando à competição internacional, foi Con la Licencia de Diós, de Simona Canonica, a vencedora da melhor curta. Dentro desta categoria foi ainda atribuído um prémio especial a Pierre-Yves Vandeweerd por Territoire Perdu.

O prémio Revelação para melhor primeira obra de longa ou média-metragem nas diversas secções internacionais coube a Ami, entends-tu, primeiro filme de Nathalie Nambot. Na secção Investigações, Diário de uma Busca, de Flávia Castro, foi o filme premiado. Já Rechokim, The Collaborator and His Family, de Ruthie Shatz e Adi Barash, recebeu uma menção honrosa nesta secção.

O prémio Universidades foi para De Engel van Doel, de Tom FassaertDiário de uma Busca recebeu também o prémio CPLP para a melhor longa ou média-metragem dos Países de Língua Portuguesa.

Todos os filmes vencedores repetem hoje, domingo, na Culturgest, onde também será projectado um filme surpresa, entretanto já revelado. Trata-se de Duch, Le Maître des Forges de l’Enfer, de Rithy Panh, que teve a sua estreia mundial no Festival de Cannes deste ano.

Inês Moreira Santos

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Espírito Indomável
‘Espírito Indomável’ em descida há três dias consecutivos