Os álbuns Guitarra Portuguesa e Movimento Perpétuo de Carlos Paredes vão ser reeditados pela editora norte-americana Drag City Records, 40 anos depois do seu lançamento, sete anos depois da morte do guitarrista.

O lançamento está previsto para dia 7 de Novembro, já a pensar nas vendas associadas ao Natal. No entanto, o objectivo da editora, com este trabalho como com outros, não é obter lucro. O que motiva o lançamento dos 1000 vinis de cada álbum é a notoriedade que está associada ao músico. “A editora é pequena e não o faz para ganhar dinheiro, mas pelo prestígio e porque temos alguns artistas que são admiradores” comentou Fred Somsen, responsável pela editora.

O projecto faz crescer alguma expectativa entre os seguidores de Carlos Paredes. Ben Chasny, guitarrista dos Six Organs of Admittance, julga de total actualidade e pertinência este revisitar do guitarrista de Coimbra. “Penso que os álbuns ainda são relevantes, porque desde a altura em que foram lançados mais ninguém fez álbuns ou escreveu melodias como as de Paredes

Este poderá ainda ser um passo na projecção internacional de Paredes, uma vez que recolhe o apoio de, entre outros guitarristas, Will Oldham e Richard Bishop, e será uma reedição com crítica num dos próximos números da Mojo. As publicações especializadas Record Collector e Wire estão também interessadas em desenvolver trabalho sobre o músico.

O mais problemático na reedição terá sido manter-se fiel ao original a ponto de recuperar as capas. “Tivemos alguns problemas em obter as fotografias originais“, disse Somsen, acrescentando que foi necessário pesquisar nos arquivos da Valentim de Carvalho e digitalizar fotografias originais.

O esforço de tornar os vinis o mais próximo possível do original fez com que fossem publicados não só em inglês, mas também em português. Assim, ambos os álbuns terão uma apresentação bilingue ao mestre da guitarra portuguesa, Carlos Paredes.